logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: A inter-ação-social na obra de Quino: Mafalda a voz feminista
Autor(es): Alexis Henrique Albuquerque Matarazzo. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 24/02/2024
Palavra-chave Mafalda, Mafalda, Feminismo
Resumo

A década de 60 representa um período transformações política, culturais e sociais. O período de repressão imposto pelas ditaduras proporcionou uma abertura de pensamento na sociedade, com novas formas de participações sociais e, principalmente, novas expressões artísticas. Imerso em diversos movimentos podemos destacar o movimento feminista, que na América Latina incorpora outras frentes de luta no que diz respeito ao movimento nos Estados Unidos, fazendo com que este não fosse caracterizado, apenas como político, mas como ideológico, propondo a criação de uma nova identidade feminina. É neste mesmo período que acompanhamos o nascimento das tiras cômicas da personagem Mafalda, desenhadas pelo cartunista Joaquín Salvador Lavado Tejón (Quino), que surge como um elemento diferencial e contestador dos acontecimentos da década em questão. Por meio da sátira e ironia, características intrínsecas ao gênero tira cômica, Quino aborda a sociedade em suas faces revolucionárias, reprimidas e reacionárias. Sob à luz da filosofia da linguagem do Círculo de Bakhtin, esta pesquisa ainda em fase inicial, propõe a análise da construção discursiva da obra de maneira a constatar como as personagens subvertem as situações, sob o prisma da alteridade, para demostrar a plurivocalidade do movimento. Assim, as personagens da obra, em função dos reflexos e refrações operados pelo autor-criador, discursam tanto a face liberal favorável como a conservadora desfavorável da sociedade. Por fim, pretende-se verificar as vozes sociais que dialogam com o movimento feminista na América Latina, desenvolvendo o conceito de diálogo proposto por Bakhtin, que a identidade humana moldada por meio de fatores externos ligados ao contexto histórico-social, forma o sujeito pela linguagem. Logo, observamos a composição do sujeito (eu) pela inter-ação com o outro e vice-versa, criando um jogo dialógico ativo. A fim de contribuir com os estudos linguísticos na área da análise dialógica do discurso e com os estudos culturais e históricos, além de constatar a construção discursiva da obra, pretende-se chegar a uma verificação da relação entre autor e personagem existente, bem como entender à maneira que as perspectivas feministas são vistas e retratadas pela concepção do sexo masculino e como cada personagem das historietas reflete e refrata o pensamento da sociedade.