logo

Programação do 62º seminário do GEL


62º SEMINáRIO DO GEL - 2014
Título: Axiologização: avaliadores adjetivais e sua função argumentativo/persuasiva em artigo de opinião
Autor(es): Eloísa Oliveira Lima. In: SEMINÁRIO DO GEL, 62 , 2014, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2014. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave Golpe Militar,axiologia,discurso
Resumo
Neste trabalho, pretende-se analisar, utilizando a teoria da Linguística Textual, a Análise de Discurso de linha francesa e, ainda, alguns conceitos da Filosofia do Direito, o efeito de sentido produzido pelos avaliadores adjetivais em texto de opinião sobre o Golpe de 64. Em 31 de março de 2004, o Golpe Militar de 64 completou 40 anos e, como não poderia deixar de ser, vários jornais e revistas publicaram uma série de textos alusivos ao tema. Um desses textos, de autoria do General reformado Carlos de Meira Mattos, é objeto de nosso estudo. A escolha das categorias gramaticais é responsável pela introdução das opiniões nos textos, seja mediante o emprego de um determinado verbo, seja mediante a nominalização, construções adverbiais ou ainda determinados sinais de pontuação, sem falar nos inúmeros recursos lingüísticos que podem ser utilizados para dar um direcionamento ao texto. Aqui, nossa atenção se volta para o emprego dos adjetivos axiológicos empregados no artigo. A axiologia, que tem extensão na ética e na estética, trata dos valores positivos e negativos, procurando analisar os princípios que permitem considerar que algo/alguém é ou não valioso. A partir dessa noção, observou-se como a categoria gramatical “adjetivo” foi empregada no artigo tanto em momentos em que a “voz” do General Meira Matos estava em evidência, quanto nos momentos em que outros discursos eram trazidos ao texto para reforçar suas idéias sobre o Golpe. O valor é sempre bipolar, porque a um valor sempre se contrapõe um desvalor. Dessa forma, valores positivos e negativos se conflitam e se implicam em processo dialético. Em nosso estudo, observamos que alguns adjetivos são utilizados várias vezes e, embora sua forma garanta sua unicidade, seus sentidos são diferentes, dependendo do espaço discursivo que se instaura na enunciação. Assim, o autor vai tecendo uma rede de sentidos valorando o Golpe Militar positivamente, auxiliado pelas vozes de jornalistas, políticos e colegas militares trazidas ao texto para dar sustentação ao seu próprio discurso. Da mesma forma, avalia o governo de João Goulart de forma negativa, associando a ele acontecimentos também negativos. Essa bipolaridade estabelecida pela utilização dos avaliadores adjetivais garante a orientação argumentativa pretendida pelo autor.