logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: O problema do critério na definição dos gêneros discursivos: uma proposta e um exemplo de aplicação
Autor(es): rafael henrique palomino. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 02/03/2024
Palavra-chave Gneros do discurso, Bakhtin, Voloshinov
Resumo

Este trabalho objetiva: (i) sugerir, a partir de discussão teórica, um critério para definir gêneros discursivos, e (ii) apresentar um exemplo de aplicação desse critério. A questão que o motiva é apresentada nos trabalhos sociorretóricos de Miller (1984, p.151), mas concerne aos estudos bakhtinianos: a multiplicidade de critérios para definir gêneros. Pesquisadores os têm definido por similaridades de texto, discurso, audiência, situação retórica, etc. Isso é problemático, pois sempre é possível, como diz Todorov (1978, p.50), reunir textos por qualquer semelhança, mas chamar essas reuniões de “gênero” tornaria esse conceito um construto arbitrário dos estudiosos, que elegeriam a  regularidade para defini-lo. A revisão bibliográfica mostra que Voloshinov (1999) e Bakhtin (1997), ao contrário, entendem o gênero como concreto e participante do real, e não como agrupamento feito pelo analista. Isso exige do pesquisador um critério não que “construa” o gênero, mas que “perceba-o”. Com Bakhtin e Voloshinov, o presente trabalho propõe como critério a função realizada pelo gênero na atividade social de que ele é parte. Bakhtin afirma que os gêneros são elaborados pelas “esferas de utilização da língua” (1997, p.279) e originados por “uma dada função” (1997, p.284). Gêneros são, assim, a estabilização de formas discursivas decorrente do papel desempenhado por elas numa atividade, e daí ser sua função o critério para “encontrá-lo”. A reportagem é um bom exemplo de aplicação desse critério. Seguindo a sugestão metodológica de Voloshinov (1999, p.124), pode-se examinar o contexto social da reportagem e deduzir-se, dele, a função realizada por ela. Ao fazer esse exame, o presente trabalho obteve resultados que sugerem haver, pelo menos, dois gêneros diferentes chamados de “reportagem”: o que realiza a função de entreter e complementar a educação (reportagens sobre dietas, viagens, etc.) e o que realiza a função de interpretar o presente para o leitor (reportagens do padrão da revista Time). A conceituação do gênero reportagem feita com esse critério diferiria, portanto, das conceituações tácitas ou das correntes no âmbito do jornalismo.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ___. Estética da criação verbal. Tradução de Maria Ermantina Galvão Pereira. 2ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MILLER, C. Genre as social action. Quarterly Journal of Speech, 70, 1984, p.151-167.

TODOROV, T. Os gêneros do discurso. Tradução de Ana M. Leite. Lisboa: Edições 70, 1978.

VOLOSHINOV, V. (BAKHTIN, M.). Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 1999.