logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Corpo e significações: modos de dizer sobre a mulher
Autor(es): Dantielli Assumpo Garcia. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 22/02/2024
Palavra-chave Mulher, Corpo, Discurso
Resumo

Partindo da afirmação “o corpo não escapa à determinação histórica, nem à interpelação ideológica do sujeito” (Orlandi, 2012), objetivamos, neste trabalho, analisar como se interpela a mulher para que esta se constitua como um sujeito praticante de esportes, atividades físicas independentemente de seu corpo e peso. É importante pontuar que não estamos pensando aqui o corpo empírico, mas sim o corpo em sua materialidade significativa, isto é, como corpo de um sujeito,  um corpo de linguagem que é discursivizado constantemente. Desse modo, relacionando sujeito/corpo/linguagem/sociedade, visamos compreender como o corpo da mulher é significado em dizeres, direcionados a ela, sobre as práticas esportivas, sobre a importância das atividades físicas. Para isso, analisaremos o texto “Contra padrões fitness, vídeo mostra mulheres reais praticando esporte”, e o vídeo “This girl can”, campanha britânica que incentiva as “mulheres comuns, reais” a fazerem esporte. Ao falarem sobre o corpo feminino, duas posições-sujeito-mulher aparecem: a  mulher fitness, vista como uma “mulher supersarada”, “glamourizada” por suas “silhuetas esculpidas por treinos incessantes”; e a  mulher real, aquela que nada,  dança, corre, luta “independente de seu corpo e do quão suada ela esteja”. Diante dessas materialidades significantes, alguns questionamentos surgem: como entender a designação “mulher real” e “mulher fitness” que aparecem nas materialidades analisadas? Como o corpo da mulher é significado no vídeo e no texto? Como o corpo da “mulher real” é significado na sociedade? E o corpo da “mulher fitness”? Qual a relação do corpo da mulher com a ideologia (patriarcal)? O corpo da mulher, determinado pela história e pela ideologia, significa como empoderador ou como repressor? Portanto, neste trabalho, buscaremos mostrar como o corpo da mulher é, nas condições sócio-históricas em que vivemos, ainda significado por um discurso que ensina,  instrui a mulher a como agir ou não para não ser julgada pela sociedade que impõe padrões de beleza e de corpo ao sujeito. (FAPESP, proc. nº 16006-8)