logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: As construções com embora na fala e na escrita: uma abordagem baseada no uso
Autor(es): Thiago dos Santos Silva. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 02/03/2024
Palavra-chave lingustica funcional, mudana lingustica, construcionalizao
Resumo

Esta pesquisa busca, a partir de uma análise sincrônica, estudar a construção embora e sua relação na rede construcional com outros nós mais próximos e mais afastados da construção. A partícula teve sua origem na locução adverbial temporal em boa hora, utilizada para desejar bom augúrio no século XV, visto que, de acordo com a crença da época, o sucesso das ações estaria no momento em que elas eram realizadas.  A partir desse estudo, iremos estabelecer a ligação que a construção possui com os nós mais próximos e analisar o que tais construções têm em comum. Para isso, utilizamos o corpus do Grupo de Estudos Discurso & Gramática, a fim de analisar como as construções em análise se comportam na fala e escrita dos informantes. Fundamentamo-nos nos estudos em construcionalização abordados por Traugott e Trousdale (2013). Utilizamo-nos dos pressupostos teóricos da Linguística Funcional Centrada no Uso, pois partimos do princípio de que a língua é uma estrutura maleável e que o contexto real de comunicação, juntamente com a cognição humana, são aspectos determinantes para que as mudanças linguísticas ocorram. Como não encontramos a construção concessiva embora na fala, partimos para verificar  que outras estratégias os informantes usam para expressar ideia de concessão. Assim, buscamos analisar, no mesmo corpus, as construções Xque, em que “ainda”, “mesmo” e “se bem” ocupam a posição de X, expressando concessão, buscando identificar como essas construções estão organizadas na rede construcional. A partir da análise dos dados, obtivemos os seguintes resultados: a construção embora é mais utilizada, no corpus analisado, como adverbial espacial; com as construções “mesmo que” e “ainda que”, o modo verbal encontrado foi apenas o subjuntivo, enquanto as que continham “se bem que” ocorreram somente no modo indicativo, assim com a ampliação futura do corpus oral, acreditamos que encontraremos mais dados de “se bem que” na fala, já que o indicativo é um modo menos marcado nessa modalidade.

Referências  Bibliogáficas:  

BYBEE, J. Language, usage and cognition. Cambridge University Press, 2010.

TRAUGOTT, Elisabeth Closs; TROUSDALE, Graeme. Constructionalization and Constructional Changes. Oxford, 2013.

(Apoio: CNPq)