logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: O texto argumentativo do aluno de periferia: produção ou tradição?
Autor(es): SILVIA ADELIA HENRIQUE GUIMARES. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 22/02/2024
Palavra-chave Referenciao, Argumentatividade, Periferia
Resumo

Trabalhos de vários campos do saber têm abordado o tema exclusão social, e resultado inclusive em possibilidades de reinserção dos grupos excluídos. A partir da concepção da cultura letrada como uma forma de inserção social, a descrição de textos do aluno do ensino básico, morador de periferia, pode apresentar-se como um caminho eficaz de reflexão sobre a prática social escolar, bem como para a possibilidade de integração desses alunos às demais formas de saber. Assim, com vistas a 1) pesquisar se a construção textual desses alunos revela a reprodução do modelo de ensino estritamente gramatical, ou se agrega autonomia discursiva em sua construção; 2) estudar, pelo viés das retomadas anafóricas, como se desenvolve a argumentatividade nos textos e 3) observar o que esses textos revelam sobre  que seus textos sugerem linguisticamente sobre ideologias e poder, procedi à análise de dez redações escolares de alunos do nono ano de uma periferia da Zona Norte do Rio de Janeiro. Pautada nos estudos de Referenciação da Linguística Textual e embasada na reconstituição histórica do ensino formal da língua portuguesa, a análise linguística apontou para textos com aspectos de encadeamento anafórico em nível discursivo aquém do proposto para a série/idade dos alunos, o que prejudicou o projeto argumentativo dos produtores. Além disso, o resultado revelou a escassez de um repertório lexical que possibilitasse aos produtores a variação de estratégias lexicais, como o uso de hiperonímia/hiponomínia, ou sinonímia. O estudo mostrou ainda que conhecer o padrão discursivo dos alunos dessas zonas periféricas pode jogar luz sobre um tipo de exclusão que perpassa os demais: a exclusão da possibilidade de escrever um texto coeso e coerente. Tais resultados reforçam que ler/escrever precisa ser ensinado – como processo, possibilitando a esses alunos reais possibilidades de inserção nas diversas formas de intervir e participar do mundo. E, mais que isso, pode auxiliar a reflexão didático-metodológica dos professores de língua(gens).