logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: AS FORMAS DO ROMANCE EM NASCIMENTO MORAES: UMA ANÁLISE DE VENCIDOS E DEGENERADOS
Autor(es): Jos Dino Costa Cavalcante. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Formas do Romance, Histria, Sociedade
Resumo

Vencidos e degenerados, narrativa de Nascimento Moraes, publicada em 1915, trata de dois períodos da história do Maranhão: 1888, ano em que foi assinada, na Corte do Império Brasileiro, a Lei Áurea, e 1915, época de grande recessão na economia maranhense, após o fim de um ciclo na primária situação agro-exportadora da região. Através de um olhar sociológico, o narrador constrói a tessitura romanesca baseado mais em aspectos históricos do que num caráter fictício, tanto que, na narrativa, há trechos em que os enunciados parecem ser retirados de uma crônica jornalística. Se num primeiro momento, há uma circulação de discursos relacionados a personagens (da camada mais desfavorecida politicamente), que vivenciam esse momento do pós-regime escravocrata, num segundo momento, as vozes se relacionam a uma construção de uma identidade local. A esse respeito, é bastante simbólico o discurso do jornalista Bento. Num longo enunciado – um artigo que pretende publicar em um jornal oposicionista –, essa personagem reflete as condições sócio-históricas da sociedade de São Luís do início do século XX, com uma miséria avassaladora, um analfabetismo extremamente elevado e uma corrupção endêmica na política, com uma camada significativa da população vivendo sem escolas e sem condições de renda familiar, já que são oriundos do regime que perdurou até 88. Esta comunicação pretende discutir as relações entre a narrativa romanesca e a história da sociedade maranhense entre fins da década de 80 do século XIX e as primeiras décadas do século XX, isto é, como a história e a literatura se entrecruzam na narrativa de Nascimento Moraes, como a narrativa trata dos excluídos do capital e da dignidade humana na outrora Atenas Brasileira.  Com o objetivo de traçar um paralelo entre a ficção e a sociedade (entrelaçando-se à história), a presente comunicação tomará como base teórica as ideias de Georg Lukács, em Teoria do Romance, e Antonio Candido, em Literatura e Sociedade e em Formação da Literatura Brasileira. Pretende ainda investigar o caráter não-literário do romance, segundo as postulações teóricas de Roberto G. Echevarría.