logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Um artigo interessantérrimo: uma análise do superlativo na fala gay
Autor(es): Rafael de Almeida Arruda Felix. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave fala gay, superlativo, identidade
Resumo

A linguagem, e o modo como esta é empregada, pode ser considerada como uma das várias formas de reconhecimento identitário e, por consequência, da sexualidade. Gonçalves (2003) documenta o fato de a intensificação de adjetivos carregar forte valor indexical, uma vez que, por não se tratar de um fenômeno obrigatório, mas sim de uma escolha estilística, revela muito sobre a pessoa que decide por fazer seu uso. Neste sentido, o uso de adjetivos com derivação de grau superlativo tem sido, em grande parte, reconhecido pela sociedade como uma prática da fala dita gay, de modo a contribuir com o estereótipo do que é ser gay. Gonçalves (2003), de modo a confirmar tal hipótese, documenta que o uso de superlativos é evitado por homens heterossexuais, pois estes estão associados à fala de gays. Além do mais, muitos programas televisivos e sites de entretenimento têm apresentado personagens gays diferenciados dos demais por uma linguagem específica e caricaturesca. O objetivo do presente trabalho é averiguar, em três sites direcionados ao público gay, sendo esses Acapa, BabadoCerto e Superpride, a intensificação do uso de adjetivos primeiramente através do superlativo absoluto sintético e, depois, através de outras estratégias de intensificação gradual dos adjetivos que foram mostradas por Loureiro (1979 apud. SOUZA, 2011), Monteiro (1991), Morais (1965). Como objetivo específico, se propõe aqui investigar se esta intensificação é uma característica inerente à fala gay ou apenas uma marca do estereótipo gay cunhado pelo restante da sociedade. Tem-se em vista, igualmente, verificar a ocorrência dessa intensificação e analisar a sua significação social em contexto. A escolha destes sites deve-se ao fato de apresentarem uma linguagem mais próxima da oralidade e, consequentemente, menos controlada. Como complemento, este trabalho também abarca uma breve explanação sobre a classe dos adjetivos e também de sua derivação no grau superlativo. A partir da análise empreendida foi possível verificar que a intensificação, em geral, não somente utilizando dos sufixos superlativos, pode ser facilmente encontrada nesses sites. Concluiu-se, então, que os superlativos, mais do que um mero estereótipo, são característicos à “fala gay”, já que o universo analisado refere-se a uma realidade linguística de homens que partilham entre si a característica de serem gays.