logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Análise discursiva de um guia evangelístico: a representação da África pela Junta de Missões Mundiais
Autor(es): Daiane Rodrigues de Oliveira Bitencourt. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 01/03/2024
Palavra-chave Discurso constituinte, Discurso missionrio, Esteretipo
Resumo

A missão evangelística constitui-se como um lugar fundamental no discurso cristão, seja ele católico ou protestante. Em 1881, foi organizada a primeira Igreja Batista no Brasil, a qual tem se destacado pela grande ênfase dada ao trabalho missionário. Em 1907, foi criada a Junta de Missões Mundiais (JMM) a fim de atuar na expansão da doutrina batista em outros países. Atualmente, a JMM está presente em 64 países. Além da evangelização e formação de igrejas, a junta realiza projetos sociais na área de educação, saúde e esportes. O objetivo deste trabalho é analisar discursivamente um livreto intitulado Dez dias de compromisso África,   produzido pela junta   em 2012. Para tanto, partimos da noção de discursos constituintes proposta por Maingueneau (2006). O autor propõe que há um conjunto de discursos que tem um estatuto particular na medida em que não reconhecem nenhuma autoridade acima de si mesmos e se propõem como Origem. A esse grupo de discursos, o autor chama de discursos constituintes. Esses discursos apresentam-se como ligados a uma Fonte legitimadora que lhes concederia acesso à verdade e lhes atribuiria superioridade sobre os demais. Para o autor, o discurso religioso é um discurso constituinte. No campo religioso, cada posicionamento pretende nascer de um retorno à verdadeira fé, que os demais posicionamentos teriam esquecido ou subvertido. Neste campo, o discurso cristão, em suas variadas vertentes, apresenta-se como responsável por alcançar a salvação da humanidade. Além da noção de discursos constituintes, mobilizamos para a análise também a noção de estereótipos apresentada por Amossy e Pierrot (2001). Segundo as autoras, o estereótipo funciona como um tipo de pré-construído, na medida em que é um elemento prévio do discurso, afirmado pelo enunciador, mas cuja origem já está esquecida (“já-dito” antes e em outro lugar). Desse modo, a ativação/construção de estereótipos funciona na relação entre os diferentes posicionamentos discursivos, porque está ligada ao interdiscurso ou memória do dizer. Com base nessas noções, analisamos o guia Dez dias de compromisso África. Neste, a JMM constrói uma representação da África a partir de um conjunto de estereótipos negativos (pobreza, doenças, violência), ao mesmo tempo em que constrói uma imagem dos batistas como responsáveis pela “salvação da África”. A análise mostra, assim, que, por seu caráter constituinte, o discurso batista apresenta-se como saída para resolução dos problemas africanos não apenas de ordem espiritual, mas econômicos e sociais.