logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: 'Cultura' no singular: circulação e produção dos sentidos em materiais instrucionais de português brasileiro como língua estrangeira
Autor(es): Helena Maria Boschi da Silva. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave cultura brasileira, comunidades discursivas, portugus para estrangeiros
Resumo

Este trabalho propõe um estudo dos sentidos atribuídos a “cultura brasileira” pelos  materiais instrucionais de Português Língua Estrangeira de uma perspectiva teórica  que considera sua configuração editorial em sua relação com a cibercultura (LEMOS,  2005; SALGADO, 2013), fonte de grande parte dos conteúdos que os constituem e que é,  segundo nossa hipótese de trabalho, organizadora de práticas – editoriais, didáticas, de  leitura e congêneres. No quadro da análise do discurso de tradição francesa, trata-se de  pensar o aprendizado de uma língua segunda como suscitado pela produção de sentidos  que se institui no contato do aluno estrangeiro com esses materiais, o que implica  considerá-los como dispositivos históricos, que constroem e estabilizam imaginários  acerca do português brasileiro e do Brasil. Definimos como córpus um conjunto recente  de livros didáticos,  Brasil Intercultural: língua e cultura brasileira para estrangeiros  (MOREIRA; BARBOSA; CASTRO, 2013), lançado na Argentina, e as unidades de aula de  português brasileiro propostas pelo Portal de Ensino do Professor de Português Língua  Estrangeira (PPPLE – IILP, 2013). Procuramos observar em que medida a noção de  comunidade discursiva, que consideramos ser explicativa do funcionamento que articula língua e cultura na ordem do discurso, contribui  para investigar como se materializam  nesses dispositivos aspectos da heterogeneidade semântica que caracteriza a pluralidade  constitutiva de uma cultura.  Uma leitura inicial do material nos leva a fazer a hipótese  de que, enquanto nas unidades do portal os temas tendem a ser mais diversos e  abordados por meio de enunciados de comunidades discursivas variadas, indiciando,  por vezes, um engajamento no sentido de desconstruir estereótipos associados  ao Brasil,  nos livros se dá o processo inverso: a menor disponibilidade de espaço e a dificuldade  econômica imposta pelo acesso a conteúdos protegidos por direitos autorais favorece a  construção de imaginários. Nosso objetivo, assim, é contribuir com uma reflexão sobre a relação do material linguístico com o extralinguístico suscitada pelos meios e os materiais em que se inscreve, com foco nas práticas de textualização e nos indícios da heterogeneidade constitutiva de dispositivos que se supõe, tradicionalmente, serem representativos de uma identidade “consensuada” de língua e de país.