logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: SUJEITOS DESLOCADOS À ESQUERDA NA FALA DE BRASILEIROS E PORTUGUESES
Autor(es): Mnica Tavares Orsini, Carlos Eduardo Nunes Garcia. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave construes de tpico marcado, Portugus Brasileiro e Portugus Europeu, sintaxe
Resumo

Este trabalho investiga a construção de deslocamento à esquerda de sujeito na fala de brasileiros e portugueses. Tal estrutura se configura numa estratégia de tópico marcado em que o tópico – um constituinte externo, à esquerda da sentença – estabelece correferencialidade com um elemento expresso, que desempenha a função sintática de sujeito, no interior do comentário, como exemplificado em (1) “[a moça que trabalha lá em casa]i elai é de Queimados, né?”. A pesquisa, fundamentada em trabalhos anteriores sobre o tema (cf. ORSINI e VASCO, 2007; ORSINI e PAULA, 2011; PAULA, 2012), utiliza os pressupostos teóricos do modelo de estudo da mudança, descrito por Weinreich, Labov e Herzog [2006(1968)], associados à Teoria de Princípios e Parâmetros (cf. CHOMSKY, 1981), que sustenta as hipóteses arroladas e a seleção dos grupos de fatores estruturais. Os dados foram coletados de 36 entrevistas que integram o acervo sonoro do Projeto Concordância, distribuídas por faixa-etária, gênero, grau de escolaridade e origem do informante. Objetiva-se, dessa forma, (i) averiguar a frequência e o comportamento estrutural dos deslocamentos à esquerda de sujeito, numa perspectiva interlinguística e (ii) observar o grau de interferência do nível de letramento na frequência e em eventuais restrições impostas pela gramática da fala de brasileiros e portugueses, visto que, segundo Duarte, Cyrino e Kato (2000), o PB passa por mudanças no que diz respeito à marcação do Parâmetro do Sujeito Nulo (PSN), comportamento não observado na gramática da fala do PE. Os resultados, gerados a partir da variável dependente grau de letramento, mostram que se, por um lado, o PB oral não possui restrições estruturais às ocorrências das construções estudadas, confirmando análises anteriores, o PE as apresenta, uma evidência de que, no que tange à marcação do PSN, estes sistemas parecem se comportar de maneira distinta, sendo este uma língua prototípica de sujeito nulo, enquanto aquele, uma língua de sujeito nulo parcial (cf. ROBERTS e HOLMBERG, 2010). Essa diferença quanto à marcação do parâmetro interfere no comportamento e na frequência das construções de deslocamento à esquerda de sujeito em cada sistema, evidenciando o princípio do encaixamento da mudança linguística.