logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Ditongos na fala do português de São Tomé
Autor(es): Nayse Hevellyn Magalhes Barcelos. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 22/02/2024
Palavra-chave Ditongos, Portugus de So Tom, Variao
Resumo

A pesquisa vincula-se ao Projeto Português do Brasil e Português de São Tomé em contraste, que tem por objetivo geral analisar aspectos do vocalismo na variedade urbana do Português de São Tomé (PST) no intuito de verificar se, a exemplo do que ocorre no âmbito de outras variáveis linguísticas (como a concordância nominal e a concordância verbal), se podem observar, também no plano fonético-fonológico, convergências com a variedade brasileira.

Neste estudo, apresentam-se os resultados preliminares sobre o comportamento de ditongos nessa variedade. Buscou-se verificar (1) se ditongos como [ej], [aj] também estão sujeitos a monotongação, (2) se tal processo decorre da atuação dos mesmos fatores estruturais que se observam no Português do Brasil (PB) (3) se outros ditongos também estão sujeitos ao processo, (3) se fatores de natureza social (como idade e nível de escolaridade, entre outros) atuam mais fortemente no PST do que no Português do Brasil (PB), tendo em vista não só ser o Português Europeu a norma de referência do PST mas também ser a sociedade santomense fortemente marcada pelo contato interlinguístico.

A análise dos dados pauta-se pelos princípios teórico-metodológicos da Teoria da Variação e Mudança, no que respeita, entre outros pressupostos, à noção de regra variável, dependente da atuação de restrições linguísticas e sociais. Os dados que compõem os corpora para análise foram eliciados de entrevistas que integram o Corpus VARPOR, do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa e que foram realizadas por Tjerk Hagemeijer. Os informantes distribuem-se por sexo, três faixas etárias (18 a 35 anos, 36 a 55 anos, 56 a 70 anos) e três níveis de escolaridade (5 a 8, 9 a 11 e 12 a mais anos). Para fins comparativos, nas análises foram controladas variáveis que se mostraram atuantes em estudos sobre os ditongos no PB: contexto antecedente, contexto subsequente, tonicidade da sílaba, número de sílabas, posição no vocábulo (radical ou sufixo).

Verificou-se que a monotongação de [ej], da ordem de 26,2% é condicionada pelo nível de escolaridade, pelo contexto subsequente e pelo número de sílabas do vocábulo. No que se refere a [aj], ditongo pouco produtivo no corpus, verifica-se, por meio de análise pontual, que o processo pode estar sendo condicionado por fricativa pós-alveolar em contexto subsequente.