logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Do discurso ao enunciado: um estudo dos itens lexicais “surdo-mudo” e “deficiente auditivo”
Autor(es): Igor Caixeta Trindade Guimares. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Lxico, Discurso, Enunciao
Resumo

Este trabalho discute os significados dos itens lexicais “surdo-mudo” e “deficiente auditivo”, a propósito da atual tendência de substituição de um item pelo outro, motivada por fatores sócio-históricos. Para o estudo dessa mudança semântica, adotamos a perspectiva onomasiológica, segundo a qual o valor das palavras é analisado em função dos termos que podem expressá-lo. Nesse sentido, somos guiados pelos pressupostos da lexicologia sócio-histórica, considerando a palavra como elemento a ser estudado do ponto de vista de conjunto, em relação com outras palavras, e com os discursos associados, materializados em enunciados. Uma vez que tal substituição não se explica apenas por fatores linguísticos, mas por uma série de concepções ideológicas que foram sendo desenvolvidas ao longo dos anos, subsidiados também por avanços da tecnologia aplicada à inclusão de pessoas com deficiência, julgamos pertinente adotarmos o conceito de “formação nominal”, concebido por DIAS (2010). Por meio de “formação”, chamamos atenção ao processo de construção dos sentidos, que não é uniforme nem estanque. Procuramos confirmar a premissa de que tais sentidos se dão a partir das relações que os signos linguísticos estabelecem uns com os outros, porém não tão condicionado a estruturas rígidas, mas a uma memória do dizível depreendida dos enunciados. Do ponto de vista metodológico, recorremos à proposta de CAMBRAIA (2013), priorizando a abordagem empírica no tratamento do corpus. Os dados foram buscados no acervo online do Jornal do Brasil, dentro do período em que se manifesta a tendência de substituição de “surdo-mudo” por “deficiente auditivo”.  A comparação entre os itens está sintetizada em um quadro com as co-ocorrências que definem as formas e representa, nesse sentido, um retrato conciso de nossas análises. Nele, constam as 25 (vinte e cinco) palavras mais frequentes no período hegemônico da forma antiga (surdo-mudo) e as 25 mais frequentes no período hegemônico da forma nova (deficiente auditivo).