logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Tradução em sala de aula: ensino de língua japonesa por meio da literatura
Autor(es): Joy Nascimento Afonso. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave Traduo em sala de aula, literatura contempornea, Ensino de japons como LE
Resumo

Como professores de língua estrangeira é natural nos depararmos com traduções de frases ou excertos de texto que acompanham o material didático em sala de aula. Questionamos aqui, se não seria possível o uso de textos autênticos, e neste caso a literatura contemporânea, no ensino de japonês como língua estrangeira, onde o processo de tradução não seria somente para aprendizado de vocabulário ou compreensão textual, mas principalmente como forma de construir uma ponte entre as similitudes da cultura do outro e a própria. O presente trabalho tem como foco apresentar alguns aspectos da tradução do ensaio Matecha no shinpi (O segredo do chá mate- 2009) da escritora contemporânea Banana Yoshimoto, que foi utilizado como exercício de compreensão textual em turmas do curso de Letras- japonês. O ensaio escolhido faz parte da obra de ensaios Jinsei no tabi o yuku (Uma viagem chamada vida- 2009) que a autora produziu enquanto viajava pela América Latina. A obra de ensaios relata as muitas viagens que a autora fez ao longo da vida, remetendo as memórias pessoais, que no caso do Brasil, foi o chá mate. Atualmente Banana Yoshimoto tem no Brasil somente o seu romance mais famoso traduzido – Kitchen (A cozinha – 1995), porém suas obras já foram traduzidas para mais de 20 idiomas. O segredo do chá mate se passa na região sul do Brasil, narrando a viagem da autora, que é guiada por japonês residente há muitos anos em terras brasileiras. Ela descreve não somente a natureza que tanto encanta os estrangeiros, mas também as características que seu guia incorporou da cultura brasileira, como uma linguagem mais direta e talvez menos gentil, se comparado à linguagem dos senhores japoneses que a narradora conhecia. Por meio do texto autêntico torna-se possível o entendimento de algumas características da cultura japonesa e poder observar a própria cultura - no caso a brasileira- pelo viés do olhar estrangeiro. Ao utilizarmos a literatura contemporânea no ensino de JLE, permitimos ao aprendiz não somente o contato com o texto real, mas também o acesso a literatura japonesa, possibilitando segundo Brun (2004) “uma abordagem pessoal e plural, facilitando a construção de uma desejada competência intercultural” (p. 83), pois ao ter contato com a cultura do outro, a sua visão se amplia a respeito de si mesmo e de sua cultura, e no caso, por meio da tradução o conhecimento de sua própria língua.