logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Proposta de periodização dos estudos sobre a língua portuguesa em Minas
Autor(es): Marcos Paulo Santos. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 01/03/2024
Palavra-chave Historiografia da lingustica, Portugus oral, Minas Gerais
Resumo

Este trabalho faz parte do projeto “Documentação e análise do português falado em Minas Gerais”, que tem como objetivo documentar e analisar dados sobre o português falado em Minas Gerais. Como citado por Batista (2013), é prática da historiografia da linguística a descrição e análise do que foi dito sobre a língua e linguagens. Assim, a partir dos estudos da historiografia da linguística, pretendemos, nesta pesquisa, observar os diferentes olhares sobre a língua falada no estado e definir os períodos que marcariam uma mudança no modo de ver e descrever o que hoje alguns trabalhos chamam de “dialeto mineiro” ou “mineirês” (Aulete, 2015). Autores como Altman (1998, 2012), Batista (2013), Swiggers (2009, 2013) são referenciais teóricos a respeito dos estudos no campo da historiografia linguística e serviram como base para se pensar a pesquisa aqui proposta. Outros trabalhos, como Teixeira (1938), Rocha & Ramos (2009), Nascentes (2011 [1995]), Nicolau (2011), Amaral (2013, 2015), nos ajudam a refletir sobre as noções de dialetos e falares e a construção do que seria hoje o “dialeto” existente em Minas Gerais. A seleção dos dados usados neste trabalho ocorreu através de consultas em acervos físicos e virtuais, a fim de catalogar estudos e pesquisas linguísticas sobre o português falado no estado de Minas Gerais - os dados do projeto contêm também informações de dissertações e teses desenvolvidas nos programas de pós-graduação de algumas universidades do estado, como a UFMG, UFU, PUC-MG, UFJF. A análise dos dados permite identificar três fases de estudos do português falado em Minas, todas dentro do período posterior à Proclamação da República. A primeira fase vai de 1889 até o ano de 1938 e se caracteriza por trabalhos, quase sempre gramáticas normativas, que citam alguns traços de oralidade ligadas ao português em Minas Gerais. A segunda fase (de 1938 até 1977) tem como marco inicial a publicação do trabalho de Teixeira (1938), autor pioneiro na tarefa de descrever o português falado em Minas. A partir de 1977, até os dias atuais, marca-se a terceira fase de estudos sobre a língua no estado. Esse terceiro período tem como precursor a publicação do “Esboço do Atlas Linguístico de Minas Gerais” (Ribeiro et al., 1977), trabalho que marca o início de estudos com maior rigor científico no campo da dialetologia e sociolinguística. Nesse período, também se encontra uma crescente produção de pesquisas, especialmente em nível de pós-graduação. (Apoio: Fapemig – Processo APQ-00216-13).