logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Adjetivos no latim e nas línguas românicas: um estudo diacrônico
Autor(es): Priscila Sima Martins. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 01/03/2024
Palavra-chave adjetivos, diacronia, ordem linear
Resumo

          Para descrever as propriedades sintático-semânticas dos adjetivos do ponto de vista diacrônico, os objetivos deste trabalho, através de revisões bibliográficas, foram: investigar a posição preferencial do adjetivo no SN no latim clássico e no latim vulgar; verificar se essa posição se matém preferencial no português e em outras línguas românicas, em especial francês, italiano e espanhol; e procurar uma possível explicação para a mudança de comportamento dos adjetivos (este último pode ter conclusão numa pesquisa futura). Aparentemente, a posição preferencial do adjetivo no SN no latim clássico era a anteposição. No latim vulgar e nas línguas românicas, percebe-se uma mudança no comportamento do adjetivo no SN, a posição preferencial passa a ser a posposição. A hipótese deste trabalho é que esta mudança de comportamento do adjetivo no SN possa ser explicada através da organização oracional, de SOV, no latim clássico, para SVO, no latim vulgar e nas línguas românicas. Além de gramáticas das línguas, foram analisados vários trabalhos, ainda que delimitados, sobre o comportamento dos adjetivos no SN. Para o latim, tanto o clássico quanto o vulgar, Basseto, em “Elementos de Filologia Românica” (vol. I (2013) e II (2010)), foi tomado como base para a pesquisa, pois apresenta as histórias externa (da constituição do Império Romano ao séc. XV) e interna (do latim à situação atual) das línguas românicas. Além de Basseto, foi analisado o trabalho de Devine & Stephens (2006). Para o português, foram analisados os trabalhos do Borges Neto (1979), Boff (1991), Menuzzi (1992) e Müller, Negrão e Nunes-Pemberton (2002). Dentre tantas línguas românicas existentes hoje, o presente trabalho se limita a um breve estudo de apenas algumas destas línguas para ajudar no estudo do português: o francês, o italiano e o espanhol. Tais línguas foram selecionadas pela facilidade de encontrar pesquisas neste campo de estudo maior do que nas outras línguas românicas. Neste momento, os trabalhos de Basseto (2013 e 2010) não ajudam muito, pois apresentam o comportamento dos adjetivos atributivos nestas línguas semelhante ao do português. Para um estudo um pouco mais aprofundado, foram analisados os trabalhos de Bouchard (2002) e Boucher (2008), para o francês; de Demonte (2008), para o espanhol; e de Zamparelli (1993), para o italiano.

(Apoio: BANPESQ/THALES: 2014015432)