logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Práticas fílmico/musicais: estratégias da música predicativa de sentidos no cinema.
Autor(es): Guilherme Weffort Rodolfo. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave Prticas Semiticas, Percurso da expresso, Semitica flmico/musical
Resumo

Músicas e temas musicais compostos para o cinema, quando alinhadas aos seus textos visuais e verbais, constroem sentidos às cenas. Estes textos sonoros ajudam a construir uma enunciação ideal utilizando estratégias de comunicação e persuasão: uma superposição de conteúdos destinados à apreensão de seus espectadores. A música é a predicadora da cena filmada e compõe o estado total do texto fílmico/musical.

Os sentidos construídos pela música composta para cenas fílmicas podem ser observadas e analisadas pelo método das práticas semióticas, desenvolvido por Jacques Fontanille, onde constrói, através da semiótica dos objetos e da semiótica da cultura, um percurso gerativo da expressão. Neste percurso, Fontanille apoia-se no sentido greimasiano de imanência e das formas de vida, elementos estes de apoio ao sistema das enunciações que, nas Práticas, contribuem na observação das manifestações. Chegaremos aos níveis de pertinência hierarquizados pelo tipo de experiência condutoras do entendimento do observador que o cerca. Nestes, as “cenas predicativas” serão organizadoras da ação. Através da observação das cenas predicativas do filme e da música, será possível a análise da estratégia do meio fílmico/musical.

Através desta análise das Práticas Semióticas será possível a colocação do meio fílmico/musical como ritualístico, ou seja, que supõe um crer específico, partilhado por seus enunciatários, e neste caso, enunciatários ideais: o público direcionado ao produto. Este ritual autônomo, nas palavras de Fontanille, preserva a estrutura de um /poder/saber/querer/crer/, indissociável ao processo e de mesmo conteúdo midiático. Os hábitos, material de estudo das teorias da informação, são constituídos pelos efeitos de “conduta” e de “ritual”, e de alta amplitude no ajustamento, assim como de grande extensão na programação: unidades adaptativas do método.

A condução da análise passa pela observação do ritmo semiótico, bem desenvolvido por Zilberberg e Fontanille e apoiado em argumentos de Greimas, onde leva o elemento da espera como articulador do sentido no texto, neste caso, fílmico/musical. O resultado do processo será uma semiótica da música predicativa de sentidos no filme, especialmente nesta ótica, no filme comercial.