logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Relações condicionais-concessivas: algumas considerações teóricas
Autor(es): Ana Paula Cavaguti. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 24/02/2024
Palavra-chave funcionalismo, oraes adverbiais, conectivos
Resumo

O presente trabalho propõe investigar as relações condicionais-concessivas no português escrito do Brasil, baseado em princípios teórico-metodológicos funcionalistas propostos por Harris (1985), König (1986); Dancygier (1988, 1998); entre outros. Para esta análise, selecionar-se-ão ocorrências reais extraídas do Corpus do Português, com o propósito de: (i) identificar os usos e as propriedades morfossintáticas, semânticas e pragmáticas responsáveis pela manifestação do valor condicional-concessivo; (ii) listar os conectivos que veiculam esse tipo de relação; (iii) verificar as regularidades dessas relações no que diz respeito à factualidade, eventualidade e contrafactualidade; e outros. As orações condicionais-concessivas recebem essa denominação pelo fato de exprimirem propriedades semânticas das relações condicionais e das concessivas. No que diz respeito às condicionais, as condicionais-concessivas preservam o caráter hipotético expresso na oração adverbial, mas, ao contrário daquelas, estas relacionam não apenas uma condição para seu consequente e sim um conjunto de condições antecedentes, que, por sua vez, não impede a declaração da oração nuclear. Em relação às concessivas, conserva-se a noção de contra expectativa, isto é, de incompatibilidade entre antecedente (oração adverbial) e consequente (oração nuclear). De acordo com König (1986), um dos fatores que distingue uma relação concessiva, no sentido estrito, de uma condicional-concessiva é a relação entre o antecedente e o mundo real. Isso significa que uma mesma construção poderá ser interpretada como concessiva quando o antecedente for considerado verdadeiro, factual; e condicional-concessiva quando o valor de verdade do antecedente é indefinido. Para esse autor, as relações em estudo se classificam em três tipos: (i) condicionais-concessivas escalares (em uma escala graduada, marca-se o membro menos provável, o mais imprevisível dentre todos os membros possíveis - Mesmo se chover, nós sairemos); (ii) condicionais-concessivas alternativas (veiculam uma condição alternativa que relaciona um valor condicional com um valor disjuntivo - Se chover ou se fizer sol, nós sairemos); condicionais-concessivas universais (indicam uma livre escolha  entre um número livre de várias condições - Aonde quer que ela vá, ele nunca a deixará). Embora o conectivo mesmo se represente o prototípico desse tipo de relação, acredita-se que outros, além dos mencionados em manuais normativos e em trabalhos descritivos, também possam estabelecer esse tipo de relação.