logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A tradução do conto “Nada e a nossa condição”, de Guimarães Rosa para o inglês
Autor(es): Vanessa Chiconeli Liporaci. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave Guimares Rosa, traduo, Primeiras estrias
Resumo

O objetivo principal da comunicação é verificar como alguns aspectos da narração e da focalização do conto “Nada e a nossa condição”, de Guimarães Rosa, foram traduzidos na versão em inglês “Nothingness and the human condition”, feita por Barbara Shelby. A escolha do conto em questão deve-se ao fato de que, nele, a narração é construída de modo  específico porque revelador tanto da poética de Guimarães Rosa, quanto de um dos questionamentos que perpassam as Primeiras estórias: a vida é conduzida pelo destino, por escolhas ou por ambos? A leitura meticulosa da composição mostra-nos que o narrador observador escolhido para contar a estória é dotado de dupla função pois, além de relatar os fatos com um certo distanciamento, cifra na narração informações sobre o modo de ser do protagonista – Tio Man’ Antônio – descrevendo-o como alguém que é ciente do papel que tem a desempenhar na vida. Essa consciência por parte do protagonista não é afirmada apenas por meio de suas ações, mas nos é dada a perceber por meio da caracterização progressiva e sugestiva que o narrador faz dele e que favorece a disseminação de uma espécie de estranheza ao longo do texto. Ademais, por meio do emprego da focalização denominada por Norman Friedman de “autor onisciente intruso”, o narrador comenta e questiona atitudes do protagonista que, em conjunto, constroem o perfil de homem decidido, cujas escolhas definem o próprio destino. Esse efeito de sentido é parecido com aquele provocado pela figura do pai no conto “A terceira margem do rio”, da mesma coletânea. As estratégias discursivas empregadas nos dois contos são semelhantes e propõem uma discussão acerca do sentido da vida e da (im)possibilidade de o homem ser o condutor de seu destino. O estudo comparativo entre o texto de partida e o texto de chegada intenciona verificar em que medida a tradutora reconstruiu o discurso e, consequentemente,  a estrutura narrativa para ater-se ao modo de fazer rosiano ou, ao menos, aproximar-se dele. O embasamento teórico do trabalho é constituído de leituras relacionadas à obra de Guimarães Rosa de modo geral e às Primeiras estórias em particular, como as de Antonio Candido, Alfredo Bosi, Paulo Rónai e Walnice Nogueira Galvão; à análise da narrativa, principalmente as proposições de Gérard Genette, Norman Friedman e James Wood e aos estudos de tradução literária dos tradutores, teóricos e críticos de tradução Antoine Berman, Mario Laranjeira e Paulo Henriques Britto.