logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: ANÁLISE DO ÍTEM LINGUÍSTICO NI E DA PREPOSIÇÃO EM NA FALA POPULAR E CULTA DOS CONQUISTENSES
Autor(es): Evangeline Ferraz Cabral de Arajo. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave Gramaticalizao, Preposio EM, Variante NI
Resumo

O uso do item linguístico NI, variação da preposição EM, geralmente, é associado à classe menos escolarizada de uma comunidade (PAES, 2013) e, muitas vezes, como elemento identitário dos falantes da zona rural, presente apenas na modalidade falada. No entanto, Ferrari (1997) postula que a variante NI, a revelia desse rótulo (pre) estabelecido, tem sido um item linguístico, cada vez mais, presente na fala comum do Português Brasileiro, tanto no Português Culto quanto no Popular. Assim, sabendo que autores como Cunha e Cintra (1985) e Bechara (2009) consideram mais de um sentido para a preposição EM e que ambos coocorrem, esta pesquisa pretende investigar, em uma amostra composta por doze (12) entrevistas, sendo seis (06) do Corpus do Português Popular de Vitória da Conquista (Corpus PPVC) e seis (06) do Corpus do Português Culto de Vitória da Conquista: (i) em qual corpus o item “ni” é mais frequente; e ii) qual é a forma/referência mais frequente na fala do informante conquistense. Com isso, levantamos a hipótese de que, mesmo com o notável uso da variante NI, a preposição EM ainda é mais utilizada na fala dos informantes conquistenses, tornando o NI um elemento mais marcado, com base no princípio de marcação, apresentado por Givón (1995). Além disso, a fim de realizarmos uma discussão teórica sobre preposição e, em específico, a preposição EM e sua forma variante NI, esta pesquisa está sendo desenvolvida teoricamente com base em estudos realizados na Tradição Gramatical, como Cunha e Cintra (1985), Rocha Lima (1998), Bechara (2009) e em estudos amparados na Tradição Linguística, como Ferrari (1997) e Paes (2013). Para análise, utilizamos os corpora do Português Popular de Vitória da Conquista (Corpus PPVC) e do Português Culto de Vitória da Conquista (Corpus PCVC). Os dois corpora estão sendo construídos pelo Grupo de pesquisa em Linguística Histórica e em Sociofuncionalismo.