logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A semântica e a pragmática dos predicados de gosto pessoal
Autor(es): Marina Nishimoto Marques. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave semntica, faultless disagreement, predicados de gosto
Resumo

Em “Context dependence, agreement, and predicates of personal taste” (2005), Peter Lasersohn chama a atenção para a semântica de certos predicados relacionados ao gosto do falante. Para o autor, o principal problema colocado por esses predicados é o fato de eles gerarem, entre os falantes, discordâncias nas quais um nega diretamente o que o outro fala e, no entanto, ninguém está proferindo algo falso: esse fenômeno é chamado faultless disagreement. Um exemplo desse desacordo seria o seguinte diálogo:

Ana: Esse bolo é gostoso.

Bruno: Não, esse bolo não é gostoso!

O intuito do projeto é, portanto, verificar como a literatura resolve semanticamente os problemas gerados por esse tipo de construção (em especial, o faultless disagreement), além de diferenciar esses predicados de outros tipos de predicados subjetivos, como os predicados vagos. Também é interessante notar que os trabalhos estudados sobre esse tema são em língua inglesa, e que tentamos reproduzir esses mesmos fenômenos e a resolução para seus problemas em português brasileiro.

Segundo a prática da sintaxe, da semântica e da pragmática formais, nossa metodologia de análise é hipotético-dedutiva. Contamos, então, com a bibliografia, os dados e a intuição de falante nativo para avaliarmos as teorias com as quais trabalhamos. Ainda seguindo esse tipo de abordagem, procuramos formular nossas conclusões de modo a serem falseáveis e, portanto, verificáveis. Verificamos que há dois tipos principais de teorias que tentam resolver os problemas desses predicados. Um deles envolve adicionar um parâmetro de juiz ao índice kaplaniano que avalia o valor de verdade de sentenças, enquanto o outro tipo de abordagem não usa o juiz como parâmetro. Também é possível observar que é necessário uma noção de teoria indexical para entender o que a literatura traz sobre os predicados de gosto, já que esse tipo de predicado se relaciona muito de perto com as teorias sobre indexicais em todas as abordagens que estudamos no âmbito deste projeto.

O estudo dos predicados de gosto pela lente da semântica formal ainda é relativamente recente, e não há material sobre esses tipos de predicados em português brasileiro. Como conclusões, esperamos verificar, com base nos dados do PB, qual tipo de teoria sobre predicados de gosto é mais interessante, com ou sem parâmetro de juiz. Nesse percurso, descrevemos os predicados de gosto do português brasileiro – algo ainda inédito – e chegaremos a um melhor entendimento da semântica desse tipo de predicado para um língua ainda pouco descrita.