logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: O erotismo como resistência durante a Ditadura Militar em Contos de amor rasgados, de Marina Colasanti.
Autor(es): Enedir da Silva dos Santos. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave Erotismo, Ditadura, Feminina
Resumo

A Ditadura Militar no Brasil representa um período de intensa repressão e perseguição política e ideológica que resultou na marginalização de todos aqueles que ousaram se manifestar contrariamente ao governo militar. Consoante aos efeitos da censura e da violência desse ínterim, os registros históricos evidenciaram que de 1964 a 1986 a produção artística nacional foi uma das formas de lutar contra a censura instituída, corroborando com esse intuito. Temos como registro: livros, literários ou não. Nesse contexto, escritores e poetas despontaram como vozes de uma parcela da sociedade insatisfeita com os ecos da repressão. Os escritores desse período, tais como Rubem Fonseca, Carlos Chagas, Renato Tapajós, entre outros, denunciaram com o poder da linguagem, os desmandos governamentais; já os poetas espalhavam em folhas mimeografadas as metáforas de luta e desacordo com a violência que tentava calar a ressonância de sua revolta. Assim, chegamos às escritoras, mulheres que se atreveram a escrever textos vetados por serem considerados pornográficos, como é o exemplo de Adelaide Carraro, Cassandra Rios e Marina Colasanti. Mais tarde, por volta da década de 1980, passaram a romper seu silêncio também com uma literatura de cunho erótico, que sugere, insinua, diferente da pornografia que explicita, vulgariza, como esclarece Dominique Maingueneau. Desse modo, o erotismo se pronuncia como uma forma de afrontar a burguesia que esperava mulheres dóceis, domesticadas e caladas, secundariamente, mostrando-se como um ser humano desgostoso com a situação política. A voz de Marina Colasanti é mais uma que atua objetivamente no sentido de conferir à mulher o direito de se manifestar de forma livre, mesmo que por meio da subjetividade da linguagem literária. A presente comunicação tem como objetivo evidenciar a presença do erotismo, como meio de resistência diante do contexto político social ideológico, na composição dos contos da obra Contos de amor rasgados, de Marina Colasanti, principalmente encarando o contexto histórico de produção. Nesse sentido, a literatura produzida por mulheres durante o período militar configura-se como o espaço em que a escrita feminina procura edificar sua identidade, proferir sua resistência, cujo objetivo é sedimentar o espaço da escrita de cunho feminino no cânone e no cenário literário brasileiro, tarefa em construção, amplamente apoiada por um aparato de estudiosos e teóricos como Antonio Candido, Mikhail Bakhtin, Peggy Sharpe, Regina Dalcastagne, Luiza Lobo, entre outros.