logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Os Anonymous de Junho: uma reflexão sobre autoria dentro das redes sociais
Autor(es): Paulo Noboru de Paula Kawanishi. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave Autoria, Novas Tecnologias, Discurso
Resumo

Junho de 2013 foi marcado por uma onda de manifestações por todo o país: do norte ao sul, os brasileiros iam às ruas reivindicar seus direitos e pedir por um país melhor. Tudo isso começou a ser organizado e se espalhou através da Web e dos sites de redes sociais, principalmente o Facebook. Dentro deste, em específico, várias páginas, criadas por usuários, colocaram-se como informantes e até mesmo organizadores das manifestações. Por elas, ficava-se sabendo sobre os lugares, datas e em quais cidades as pessoas estavam se organizando. Entre essas páginas, a Anonymous Brasil se destacou, tendo mais de um milhão se seguidores naquela época. Com um histórico de atitudes ativistas e ciberativistas, o símbolo dos Anonymous se tornou o rosto daqueles que estavam nas ruas e suas palavras eram repetidas em faixas. Entretanto, como um rosto anônimo, um Anonymous, conseguia incentivar tantas pessoas a irem às ruas, correrem o risco de ser presas ou ser vítimas de atos de violência, vandalismo, para lutar por direitos que, até então, só eram reivindicados em conversas tímidas do cotidiano? Será que seu dizer foi legitimado, mesmo em uma dita posição de anonimato? Ou será que é como se pensa hoje em dia: na internet qualquer um pode dizer o que quiser, mas são palavras sem valor? Para embasar nosso olhar durante a pesquisa, baseamo-nos no trabalho de Michael Foucault (1970) para quem o autor é uma posição, uma função discursiva, cuja importância se deu, na linha da história, quando o autor se tornou passível de ser punido por aquilo que dizia. Partindo da definição foucaultiana de autor, propomos refletir, neste trabalho, sobre esses acontecimentos de junho de 2013, o papel das redes sociais digitais e da página Anonymous Brasil, com um olhar discursivo-desconstrutivista, em busca de entender se há autoria, se ela se mantém da maneira com o que o filósofo concluiu ou não e qual a participação das novas tecnologias nessa dinâmica.