logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A variação na expressão do irrealis
Autor(es): Frederico Pitanga Pinheiro. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave Variao do Irrealis, Futuro do pretrito, Pretrito imperfeito
Resumo

De acordo com Givón (1984; 1990, apud Tesch, 2007, p. 25), o irrealis é a modalidade que indica hipótese, possibilidade, dúvida, condição, virtualidade. Este trabalho tem como objetivo a análise da variação dessa expressão em dois jornais de grande circulação no Estado do Espírito Santo (jornais A Gazeta e A Tribuna). Tomando como base o modelo teórico da Teoria da Variação e da Mudança Linguística, de William Labov (1972), observamos quatro gêneros discursivos – carta do leitor, artigo de opinião, notícias do Estado e notícias do esporte – em três meses do ano de 2012 – setembro, outubro e novembro – em ambos os jornais e como a variação do irrealis se comporta em cada um. As variantes linguísticas encontradas neste corpus para tal fenômeno são: 1) futuro do pretérito: cantaria; 2) pretérito imperfeito do indicativo: cantava; 3) ir no futuro do pretérito + verbo no infinitivo: iria cantar; e 4) ir no pretérito imperfeito do indicativo + verbo no infinitivo: ia cantar. Primeiramente, foram feitas a digitalização, a digitação e a formatação dos jornais, e, logo após, buscamos nos periódicos o fenômeno e os fatores linguísticos e extralinguísticos influenciadores na variação aqui investigada; são eles: jornal A Gazeta ou A Tribuna, gênero textual, paralelismo, verbo modal, saliência fônica, ambiente sintático-semântico e tipo de texto. O passo seguinte foi a codificação dos dados e a rodada no programa estatístico GoldVarb X (Sankoff, Tagliamonte, Smith, 2012; Guy, 2010) que nos forneceu a frequência dos dados, valores percentuais e peso relativo para análise dos dados. Na escrita jornalística, o uso do futuro do pretérito é praticamente categórico, tendo em vista que as demais variantes quase não são encontradas. Comparando os resultados obtidos na modalidade escrita com a modalidade falada (Tesch, 2007), observa-se uma variação maior entre as variantes: na fala, o futuro do pretérito representa 41% dos dados; pretérito imperfeito, 38%; e ir no pretérito imperfeito do indicativo + verbo no infinitivo, 21%.

Referências:

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. São Paulo, Parábola, 2008 [1972].

Sankoff, David, Tagliamonte, Sali A. & Smith, Elen. Goldvarb Lion - A multivariate analysis application. Toronto: Department of Linguistics; Ottawa: Department of Mathematics. 2012.

Disponível em: http://individual.utoronto.ca/tagliamonte/goldvarb.htm.

TESCH, Leila. M. A Variação no mbito do Irrealis entre as Formas do Futuro do Pretérito e Pretérito Imperfeito do Indicativo na Fala Capixaba. 2007. Rio de Janeiro, UFRJ, Dissertação de Mestrado, 2007.