logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: As palavras na ponta-da-língua e o funcionamento integrado das funções psicológicas superiores
Autor(es): Marcus Vinicius Borges Oliveira. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave TOT , Palavras na ponta-da-lngua, FOK
Resumo

 

Introdução: O fenômeno conhecido como “tip-of-the-tongue” (doravante TOT) se refere ao momento em que um sujeito procura por uma palavra, acompanhado da sensação de que ela está iminente ou de que já lhe escapou, o que justifica o uso da metáfora de que a palavra se encontra na “ponta-da-língua. A sensação de saber que se está próximo da palavra-alvo é tal que, se alguém propõe algum nome que não seja aquele, único, definitivamente singular, esse nome será imediatamente negado. Objetivo do trabalho: Este trabalho, que resulta de uma pesquisa recém-concluída sobre as palavras na-ponta-da-língua, visa discutir questões relativas aos processos de emergência e de solução dos TOTs, isto é, desde a sensação da iminência da palavra até a desistência da busca ou a chegada da palavra, refletindo também sobre as estratégias às quais os falantes – afásicos e não-afásicos – recorrem para solucionar suas dificuldades.   Aspectos metodológicos: A reflexão se dá a partir da análise qualitativa de relatos registrados em diário e em um blog, relativos a situações em que as palavras ficaram na ponta-da-língua, bem como da análise de episódios dialógicos em contextos interativos com sujeitos afásicos, onde a ocorrência de TOTs é ainda mais frequente.  Discussão: Ao contrário do que ocorre nas interações entre não-afásicos que, ao se depararem com um TOT, imediatamente reorganizam seus enunciados – seja produzindo sinônimos, descrevendo a palavra que falta por meio de seus atributos ou ainda detendo-se no processo de encontrá-la –, nas afasias o processo de busca da palavra é ainda mais laborioso e tende a causar sofrimento. Os enunciados dos sujeitos afásicos, em geral, se tornam ainda mais disfluentes, mais marcados por pausas, hesitações, repetições e entrecortados por falas cristalizadas, como: “eu não consigo falar”, “eu sei, mas não...”, muitas vezes acompanhados por gestos que indicam que a palavra está na ponta-da-língua. A abordagem histórico-cultural, aliada a uma metodologia qualitativa, nos levam a reconhecer o TOT como um fenômeno que revela o funcionamento integrado das diversas funções psicológicas superiores – como a percepção, a atenção e, sobretudo a relação linguagem-memória – principalmente porque se situam entre a lembrança e o esquecimento. O estudo também possibilita inferir sobre estratégias produtivas no acompanhamento terapêutico de sujeitos afásicos, nos casos em que os TOTs sejam muito recorrentes.

(Processo Fapesp 2011/08868-4)