logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: O /e/ átono final produzido por falantes de Curitiba: uma análise acústica dos sons da fala
Autor(es): Mateus Renan Dubiela. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 02/03/2024
Palavra-chave fontica, anlise acstica, variao lingustica
Resumo

O senso comum afirma que habitantes da cidade de Curitiba, PR, realizam as vogais médias átonas finais sem alçamento, diferentemente do que é observado no restante do país. Esta afirmação encontra suporte em estudos variacionistas, principalmente sobre a produção de indivíduos do Rio Grande do Sul. Pesquisas como as de Mercer (1996), Vieira (2009) e Limeira (2013), sugerem que a realização desta vogal no Paraná está em meio a um processo de mudança no qual a regra de elevação ainda não foi completamente implementada. Estes estudos variacionistas ainda afirmam que existe uma relação forte entre a não-elevação da vogal átona e o seu contexto fonológico adjacente. Este estudo tem como objetivos principais: 1) Descrever a realização acústica das vogais médias frontais átonas em final de dissílabos paroxítonos terminados em /e/ por mulheres e 2) Verificar se o não-alçamento da vogal é recorrente nos dados ou se há, de fato, uma tendência à elevação da vogal átona. As hipóteses do trabalho são: 1) Falantes mais jovens produzem a variável inovadora (com alçamento), enquanto falantes mais velhos preservam a vogal média; 2) Falantes de uma faixa etária intermediária a dos jovens e a dos mais velhos são mais instáveis em sua produção e, portanto, exibem produção mais variável; e 3) O contexto fonológico precedente à vogal átona influencia sua realização. Para testar o design experimental elaborado com a finalidade de testar as hipóteses foi rodado um experimento piloto no qual participaram duas informantes, uma de 26 anos (faixa etária mais jovem) e outra de 46 anos (faixa etária intermediária), ambas nascidas e criadas em Curitiba e cujos pais também nasceram e foram criados na cidade. Para testar as hipóteses, o corpus do estudo continha contextos consonantais e vocálicos precedentes a vogal distintos totalizando 54  palavras. Cada informante repetiu as palavras-alvo na sentença veículo “Diga <palavra> baixinho” cinco vezes. As produções foram analisadas com o auxílio do software Praat e, para cada vogal, foram extraídos os valores de F1, F2, F3 e duração relativa, totalizando 2160 dados (54x4x5x2=2160). A análise dos dados foi feita pela observação qualitativa e estatística dos valores coletados. Os resultados preliminares do estudo captam uma produção gradiente das vogais átonas, mostrando que é dificultoso categorizar a alofonia do alçamento como fazem análises tradicionais. Esta gradiência fornece evidências para um tratamento dinâmico destes dados, uma vez que há muitas variáveis que co-ocorrem para que os dados se mostrem como são.