logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Paisagem linguística como instrumento de políticas linguísticas em uma colônia de imigração suábia/alemã
Autor(es): Adriana Dalla Vecchia. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Paisagem lingustica, polticas lingusticas, polticas de identidade
Resumo

Este trabalho tem como objetivo demonstrar a paisagem linguística de uma colônia de imigração suábia/alemã do interior do Paraná, ambiente caracteristicamente multilíngue Schwowisch/Português/Hochdeutsch. Buscamos compreender a forma como as línguas são disponibilizadas e representadas em espaços públicos da colônia, investigando se a paisagem linguística local revela as estratégias dos falantes das línguas em contato para torná-las visíveis, ou seja, como têm atuado na moldagem da ecologia linguística da região. Além disso, entendendo a paisagem linguística como instrumento de política linguística, discutimos como esse instrumento atua sobre a construção da identidade étnica e linguística do grupo. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de cunho etnográfico aos moldes da proposta de Blommaert (2010), na qual se registram fotograficamente hábitos de uma comunidade e/ou ocorrências linguísticas. O material coletado é analisado a partir da perspectiva teórico-metodológico proveniente do campo das Paisagens Linguísticas (BLOMMAERT, 2006, 2012, 2013; SHOHAMY, 2012), bem como considerando estudiosos que se ocupam da caracterização de contextos multilíngues (MAHER, 1996, 2010, 2013; LESSER, 2001; ASSIS-PETERSON, 2008). É possível perceber que os materiais dispostos, em forma de outdoors, placas informativas, orientações de trânsito, bem como placas de monumentos e demais materiais escritos em locais públicos na região pesquisada são produzidos em português e em Hochdeutsch, sem a mescla das duas línguas, elas são usadas no mesmo texto, mas em forma de tradução. Nesses materiais escritos, o Schwowisch não tem espaço, pois é entendido pela comunidade de fala como um dialeto e não uma língua. Assim, o que se pode notar é o fortalecimento de uma identidade étnico-linguística alemã por meio do Hochdeutsch e outra brasileira por meio do português escrito, bem como uma identidade sustentada no viver local, por meio do falar local, o Schwowisch e a variedade de língua portuguesa falada pelos suábios. Esse resultado evidencia a concretização de uma política linguística adotada pela comunidade que tem escola, museu, economia, enfim vida traduzida também em Hochdeutsch.