logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: VALÊNCIA VERBAL: UMA PERSPECTIVA DE ENSINO DE TRANSITIVIDADE E REGÊNCIA VERBAL NO ENSINO MÉDIO
Autor(es): Geralda Ftima de Souza. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 22/02/2024
Palavra-chave ENSINO, VALNCIA VERBAL, LINGUAGEM
Resumo

Em relação ao ensino da disciplina de Língua Portuguesa, pode-se perceber que há um avanço por parte dos documentos governamentais, nomeados como Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), nos quais a linguagem é atividade de natureza reflexiva e que depende dos aspectos linguísticos, cognitivos e da interação social para ser efetivada. Em contraposição, o ensino tradicional se ampara em teorias que desconsideram a funcionalidade dos itens gramaticais, ou seja, no conjunto dos pressupostos da gramática tradicional, a classificação dos verbos subdivide-sem em transitivos e intransitivos atentando, apenas, para os complementos tradicionais objeto direto e indireto sem considerar outros argumentos presentes na estrutura de uma frase. Sendo assim, o presente estudo tem por finalidade apontar a aplicabilidade do ensino da Gramática de Valência, que foi, inicialmente, concebido por Tesnière (1959), com o intuito de explicitar, de forma mais clara, a relação do verbo com outros constituintes da estrutura frasal. A metodologia utilizada é a pesquisa de campo em que são analisadas atividades que envolvem o conceito de transitividade verbal e o de valência verbal no contexto de duas turmas da 1.ª série do Ensino Médio. A hipótese inicial é a de que os alunos apreendem as relações sintático-semânticas dos verbos a partir do estudo das valências verbais. Assim, a inserção dessa perspectiva no ensino da relação do verbo com seus constituintes permite a percepção de que o verbo é o elemento do qual dependem todos os outros por ocupar posição nuclear na estrutura do enunciado. O verbo estabelece relações de dependências com os demais constituintes de uma oração, buscando preencher, de forma eficiente, os espaços de uma estrutura frasal. É necessário frisar, também, que tanto a sintaxe quanto a semântica possuem funcionamentos distintos sem haver a necessidade de exclusão de uma ou outra forma de abordagem. O ensino da gramática de uma língua não pode ser ministrado como uma doutrina imutável e, sim, como um sistema que se adapta a vários espaços socioculturais dada à natureza dinâmica da linguagem.