logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: GÊNEROS DISCURSIVOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NO ENSINO FUNDAMENTAL I: ANÁLISE DISCURSIVA DOS DIZERES DE SUJEITOS PROFESSORES DE 4º E 5º ANO
Autor(es): JULIANA CASSIA DE SOUZA YAMAGUTI. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave GNEROS DISCURSIVOS, PRTICA PEDAGGICA, ANLISE DISCURSIVA
Resumo

Investigamos, neste trabalho, alguns dos saberes sobre os gêneros discursivos dos quais se valem os sujeitos professores que atuam em turmas de 4º e 5º ano do Ensino Fundamental, em escolas públicas municipais. Nossas observações cotidianas evidenciaram que este conceito é assumido, nas escolas, como um “discurso da verdade” (Foucault, 1979), um tipo de discurso que, na concepção foucaultiana, representa um instrumento de materialização de determinadas ideologias na sociedade. Obsevamos, ainda, dificuldade significativa de alguns sujeitos professores em realizar trabalhos pedagógicos com diferentes gêneros discursivos em sala de aula. A presente investigação está fundamentada no aparato teórico metodológico da Análise de Discurso Pecheuxtiana – que nos permite considerar a não opacidade dos sentidos, concebendo a língua como lugar de materialização da história e da ideologia - das Ciências da Educação – que orientam nossas reflexões sobre a formação de professores como um espaço de mobilização e articulação dos saberes que compõem a docência. Concebemos os gêneros discursivos tal como proposto Bakhtin (1997), que confere à sua definição uma relativa estabilidade, já que eles possuem uma dimensão histórica, social e cultural. O corpus da pesquisa foi constituído por entrevistas realizadas com seis sujeitos-professores, as quais foram gravadas em áudio e, posteriormente, transcritas e analisadas. A partir desse amplo “espaço discursivo” (Maingueneau, 1997), realizamos alguns recortes – entendidos, aqui, como fragmentos correlacionados de linguagem e situação (Orlandi,1987) – que constituem nosso material de análise. As análises realizadas assinalam que: A) os sujeitos-professores entrevistados estão inseridos em formações discursivas e ideológicas cristalizadas, no que diz respeito à relação dos estudantes com a língua; B) esses sujeitos-professores desenvolvem o trabalho pedagógico mediado pelo que imaginam serem “critérios de familiaridade e utilidade”; C) o conceito de gêneros discursivos é compreendido como uma classificação tipológica estanque, excluindo a dinamicidade do conceito originalmente pensado por Bakhtin; D) os sujeitos-professores estão inseridos em formações discursivas que os fazem acreditar que devem, necessariamente, apresentar o maior número possível de gêneros aos estudantes, buscando prepará-los para que sejam capazes de reproduzir características pré-determinadas em suas produções textuais. Essas formações discursivas remetem a formações ideológicas características do Discurso Pedagógico Escolar tradicional, e pressupõem um ensino livresco e conteudístico. Entendemos que a formação inicial dos professores, deve oferecer-lhes oportunidades e condições de produção que permitam a constante reflexão sobre a prática pedagógica, para que sejam capazes dialogar com o interdiscurso dos estudantes e para que possam ressignificar seus saberes e ações pedagógicas.