logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Professores e Ensino de Metalinguagem: (re)construção de saberes
Autor(es): Hermes Talles dos Santos. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave Gramtica, Ensino e aprendizagem, Metalinguagem
Resumo

No Brasil, embora a Linguística esteja desde o final dos anos 80 refletindo sobre o processo de ensino e aprendizagem da língua materna, o ensino de Língua Portuguesa nas escolas de Educação Básica ainda possui influências do modelo gramatical tradicional. Cursos de formação inicial e continuada, ou documentos oficiais sobre o ensino de língua materna, apontam para a necessidade de se trabalhar com atividades primordialmente linguísticas e epilinguísticas, sem negar ou proibir também atividades metalinguísticas. Porém materiais didáticos, avaliações externas e crenças sobre a aprendizagem da língua materna insistem em trazer conteúdos metalinguísticos na perspectiva da Gramática Tradicional. Destarte, o professor trabalha em um contexto aparentemente tensivo. Nesse sentido, nossa investigação de doutoramento objetiva compreender como atividades metalinguísticas são desenvolvidas nas aulas de Língua Portuguesa de Educação Básica. Acreditamos que o trabalho com a metalinguagem se pauta sobre um amálgama de conhecimentos científicos e tradicionalistas, de tal forma que no contexto escolar, proposições aparentemente contraditórias se conciliam na prática docente, resultando em um todo de certa forma coeso e harmônico. Nosso objetivo é, portanto, compreender como os docentes de Língua Portuguesa constituem seus conhecimentos sobre o trabalho gramatical  e metalinguístico  a partir de contribuições científicas e tradicionais. Realizando uma pesquisa bibliográfica, buscamos sistematizar, primeiramente, as contribuições da Gramática Tradicional para o estudo da linguagem no Ocidente desde o período Grego Helênico até o período pré-saussuriano, no séc. XIX. Após esse período, devido às contribuições dos estudos funcionalistas para o ensino, baseamo-nos nas contribuições da Gramática Sistêmico-Funcional e nos estudos linguísticos interacionistas presentes nos PCN de Língua Portuguesa. Além disso, também investigamos o que seja e quais implicações das crenças dos docentes para o processo de ensino de língua. Por meio de uma pesquisa não participativa, coletamos nossos dados junto a professores que atuam em escolas públicas e privadas por meio de questionários e, em alguns casos, entrevistas. Analisamos os dados coletados, empregando o paradigma indiciário. Os dados parciais de nossa investigação indiciam uma relação tensiva entre os conhecimentos científicos e tradicionais, demonstrando que os professores articulam e reelaboram conceitos metalinguísticos aparentemente contraditórios como forma de justificar sua prática de ensino e promover a aprendizagem de língua materna.