logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: (Des)cortesia na rede social Facebook
Autor(es): Katiuscia Cristina Santana. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 02/03/2024
Palavra-chave Anlise conversacional, (des)cortesia, rede social
Resumo

O presente estudo tem como objetivo analisar os recursos e estratégias de ataque, defesa e valorização das faces em um tipo de interação específica – no caso, a rede social Facebook. Propomos novas reflexões a respeito da teoria da preservação das faces introduzida por Goffman (1967) e desenvolvida mais tarde por Brown e Levinson (1987). O sociólogo Erving Goffman foi um dos principais estudiosos das interações face a face. Ele consolidou a noção de face, ou seja, a representação da imagem pública de um indivíduo. O falante deve preservar a sua própria face e preservar a face do outro interlocutor. Brown e Levinson aprofundaram o conceito de face e relacionaram a linguagem ao comportamento social. Eles destacaram que todo ser possui duas faces, uma face positiva - o desejo de aprovação social e de auto-estima - e uma face negativa - o desejo de não ser impedido em suas ações. Os estudos de Brown e Levinson, no entanto, têm como foco somente os atos ameaçadores da face, fato que recebeu críticas de pesquisadores como Kerbrat-Orecchioni (2006).  Na rede social Facebook, os participantes devem se registrar antes de utilizar o site, após isso, podem criar um perfil pessoal, adicionar outros usuários como amigos e trocar mensagens. Além disso, os usuários podem participar de grupos de interesse comum de outros utilizadores, organizados por escola, trabalho ou faculdade, ou outras características, e categorizar seus amigos em listas como “as pessoas do trabalho” ou “amigos íntimos”. Com base nos fundamentos teóricos da Análise da Conversação e da Pragmática, analisamos alguns excertos de interação de grupos de interesse em comum a fim de investigar as diferentes estratégias de (des)cortesia.O estudo se baseia na teoria da polidez desenvolvida por Brown e Levinson (1987) e nos estudos de Kerbrat-Orecchioni (2004). Além de recursos verbais, apontam-se os usos de elementos visuais, tais como memes e emoticons como principais estratégias de (des)cortesia utilizadas pelos interactantes.Espera-se que esta análise possa contribuir para o desenvolvimento teórico das interações em meios digitais, em especial, para o estudo de estratégias de cortesia.