logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: O ensino da variação linguística: desafios na sala de aula
Autor(es): Maria Fernanda Migliorini Fogolin. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 22/02/2024
Palavra-chave Variao lingustica, Ensino, Educao lingustica
Resumo

A mudança linguística não acontece exclusivamente por causa de fatores internos à língua como sistema; ela apresenta uma forte motivação social, de modo que se desconsiderarmos essa característica, não haverá o entendimento total do fenômeno da linguagem humana. Além disso, de acordo com Bagno (2007), a variação linguística deve ser objeto e objetivo no ensino da língua, isto é, uma educação linguística voltada para a construção da cidadania, em que não se desconsidere os modos de falar dos diversos grupos sociais, uma vez que isso representa a identidade cultural da comunidade e dos indivíduos. Bortoni-Ricardo (2004) complementa dizendo que a escola tem papel fundamental na ampliação da competência comunicativa dos alunos, a fim de desempenharem com segurança as mais diversas tarefas linguísticas. Nessa perspectiva, o presente trabalho, desenvolvido no âmbito do Mestrado Profissionalizante PROFLETRAS/UNESP/CAPES, tem como objetivo problematizar a questão da variação linguística nas aulas de Língua Portuguesa no Ensino Fundamental II, em especial numa classe de oitavo ano, como também expor um panorama dos desafios enfrentados pelos professores em trabalhar esse assunto. A pesquisa está alicerçada na análise de livros didáticos e materiais pedagógicos de apoio utilizados em uma escola da rede pública estadual, como também em questionários respondidos por professores de Língua Portuguesa, a fim de se verificar o tratamento dado à variação linguística nesse contexto. Num primeiro momento, faremos uma verificação dos conceitos de variação linguística apontados pelos docentes e seus reflexos em sua práxis. Num segundo momento, a análise de exercícios de livros didáticos dará indícios do tratamento dado a esse tema no ensino da língua materna. A perspectiva teórica utilizada para esta pesquisa concentra-se na Teoria da Variação e Mudança Linguística, desenvolvida a partir dos estudos de William Labov, como também nos estudos realizados por Bagno e Bortoni-Ricardo. De acordo com esse referencial teórico, é impossível estudar uma língua como entidade autônoma, sem levar em conta seus falantes, inseridos em contextos socioculturais. Sob esse aspecto, os professores precisam mostrar em sala de aula que a língua varia tanto quanto a sociedade varia e que as diversas maneiras de falar, correspondem aos inúmeros usos e recursos que a língua oferece a seus falantes.