logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Clíticos pronominais em gêneros jornalísticos escritos das variedades europeia e brasileira do português: (re)discutindo a atuação dos fatores condicionantes linguísticos
Autor(es): Caroline Carnielli Biazolli. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave variao, fatores condicionantes lingusticos, clticos pronominais
Resumo

Neste estudo, analisa-se o comportamento dos clíticos pronominais adjungidos a complexos verbais (CVs), quando inseridos nos gêneros jornalísticos editorial e carta, produzidos no período de 2001 a 2010, nos jornais Público e O Estado de São Paulo, referentes respectivamente ao português europeu (PE) e ao português brasileiro (PB).  Objetiva-se verificar como as variantes previstas (cl V1 V2 / V1-cl V2 / V1 cl V2 / V1 V2-cl) se distribuem nesses textos e se há consideráveis diferenças entre os dados registrados no PE e no PB, avaliando-se, para isso, a atuação de determinados fatores condicionantes linguísticos possivelmente/potencialmente responsáveis pela variação quanto à colocação pronominal – a saber: (i) tipo de clítico; (ii) forma verbal do primeiro verbo; (iii) forma verbal do segundo verbo; (iv) elemento que antecede o grupo clítico/CV; (v) tipo de CV, etc.   São consideradas como CVs as construções constituídas por mais de um verbo, sendo o último uma forma não  finita, em que haja, entre as formas verbais, certa coesão sintático-semântica. Fundamentado no arcabouço teórico-metodológico da Teoria da Variação e Mudança Linguísticas (WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2006 [1968]; LABOV, 1982, 1994, 2001, 2008 [1972]), o presente trabalho, inserido numa pesquisa mais vasta pautada ainda em conceitos relacionados a estilo, gêneros textuais, modalidades de uso da língua e normas linguísticas, tenciona dialogar com outras investigações que lidam com a temática do posicionamento dos pronomes clíticos.  Acredita-se na observação de uma expressiva diferenciação entre os resultados obtidos do PE e do PB, uma vez que o posicionamento dos clíticos em CVs é tido como um ponto evidente de usos diversos entre as variedades consideradas. Além disso, supõe-se que, numa mesma variedade, seja significativa a variação entre cada variante da variável dependente. Desse modo, de forma metodologicamente controlada, busca-se reforçar a evidência empírica relevante para a descrição de padrões de colocação de clíticos em português e da variação no domínio dos CVs. (Apoio: CAPES)