logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Cidade e Tecnologia: corpo e afeto no laço geossocial
Autor(es): MARCOS AURLIO BARBAI. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave corpo, afeto, comunicao
Resumo

Os dispositivos de conectividade, particularmente os smartphones (telefones celulares interligados em rede, via Internet) tem produzido hoje um fenômeno no corpo da cidade: nossa mobilidade e nossa comunicação respondem, cada vez mais, a uma organização online – o que faz da conectividade uma ferramenta poderosa de laço social. A nossa presença física, no corpo da cidade, é assim ampliada, promovendo um conjunto de jogos de georeferenciação, que tem transformado a nossa dinâmica social de encontros. Assim, partindo dessas ideias, e ancorados no campo de estudos da Análise de Discurso, propomos neste trabalho, em simpósio, que reúne pesquisadores interessados nas problemáticas da relação entre discurso e tecnologia, refletir sobre as condições de sociabilidade e comunicação, atravessadas pela construção digital e espacial da corporeidade. O nosso objeto de análise é um aplicativo para smartphone, o Scruff, uma ferramenta digital, que oferece serviços de localização e comunicação geossocial, em rede, para gays.  O Scruff, utilizado por mais de 5 milhões de usuários no mundo todo, é um aplicativo de paquera, utilizado por rapazes, que permite localizar usuários que se encontram digitalmente próximos para assim trocar mensagens de texto, fotos e vídeos. Nós queremos, ao analisar esse dispositivo, que promove encontros também sexuais no corpo da cidade, unindo localização física (através do GPS – sistema de posicionamento global) e informações individuais, pensar os processos de construção discursiva de identidade em rede. O que nos motiva, neste trabalho, é a possiblidade de observar a linguagem nos processos de constituição de laço social. Um laço em rede, que tem revolucionado nossas condições físicas e simbólicas de sociabilidade. Queremos nos perguntar sobre a materialidade desses encontros, questionando um conjunto de pré-construído, que circula em diferentes espaços de comunicação, caracterizando os encontros digitais como relações frívolas, furtivas, casuais e fúteis. A tecnologia tem o poder de determinar os afetos?