logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: O terror em “João e Maria”, de R. F. Lucchetti e Flávio Colin – uma análise retórica de uma história em quadrinhos
Autor(es): Fernando Aparecido Ferreira. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 02/03/2024
Palavra-chave Retrica, Histria em quadrinhos, Pthos
Resumo

Este trabalho tem por objetivo verificar como se dá, retoricamente, a construção do “terror” na história em quadrinhos criada pelo escritor e roteirista R. F. Lucchetti em uma rara parceria com o desenhista Flávio Colin. Sendo assim, estabelece-se como corpus da pesquisa a história “João e Maria”, criada pela dupla brasileira e publicada na revista de terror Calafrio, em 1993. Por “terror”, entendemos aqui uma emoção associada ao temor, uma das paixões (páthos) elencadas por Aristóteles no Livro II de sua obra “Retórica”. Amparando-se nos estudos de Ramos, referentes à leitura textual dos quadrinhos, nos estudos da psicologia da percepção de Dondis, e nos estudos retóricos tanto de Aristóteles como de autores recentes, como Meyer, Reboul e Luiz Antonio Ferreira, este trabalho busca identificar, no objeto de estudo, os recursos verbo-visuais empregados por Lucchetti e Colin como estratégias retóricas para despertar o terror em seus leitores. Nesse sentido, serão consideradas as escolhas lexicais, as situações narrativas, as formas de representação da oralidade e dos sons, bem como o design e as formas de representação visual de situações e dos estados emocionais dos personagens. Ambientada no período em que foi produzida, “João e Maria” foge do lugar-comum das histórias de terror, geralmente povoadas por seres sobrenaturais e envolvendo situações insólitas. A história de Lucchetti e Colin envolve um casal comum, vítimas de um destino trágico, decorrente principalmente das circunstâncias sociais do Brasil nos anos 1980. Percebe-se que a escolha por personagens comuns, aliada a um domínio técnico da expressão verbal e visual, promove uma identificação do auditório-leitor com os protagonistas e uma adesão emocional do mesmo às situações narrativas, chegando ao despertar da paixão almejada pelos autores. Este trabalho parte da iniciativa de trazer para os estudos linguísticos uma compreensão mais acurada das relações entre o verbal e o visual no processo de produção de sentido – nesse caso específico, visando a persuasão.