logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Entre o relatar e o narrar: tensões e desafios do processo de aprendizagem da língua escrita nas aulas de História no EF II
Autor(es): MARIA APARECIDA LIMA DOS SANTOS. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave lngua escrita, aprendizagem, ensino de Histria
Resumo

Muito embora a produção escrita de crianças e jovens nas aulas de História tenha chamado a atenção dos docentes nas últimas duas décadas devido a problemas estruturais, pouco se tem abordado o assunto a partir dos elementos que envolvem as situações de uso da escrita escolar do ponto de vista da aprendizagem e do que efetivamente as mesmas contribuem para o desenvolvimento do pensamento histórico e do pensamento em geral. Destaque-se, ainda, no que concerne às práticas de ensino, a necessidade de se evoluir de uma perspectiva tecnicista, que entende o texto escrito como a impressão de algo pronto na mente do produtor, para aquela em que a língua escrita é, simultânea e dialeticamente, espaço de pensamento e uma de suas expressões.

Para a Linguística Cognitiva, a linguagem integra a cognição e fundamenta-se em processos cognitivos, sociointeracionais e culturais (MASCARELLO, 2012). Sendo a língua algo que está correlacionado ao processo perceptivo do indivíduo, torna-se necessário estudá-la atentando para seu contexto de produção e de estruturação de significados e sentidos. Dessa forma, tais significados e sentidos não podem ser compreendidos de forma desarticulada do conhecimento de mundo que os sujeitos possuem e mobilizam em situações de comunicação, seja esse conhecimento relacionado à língua, seja à dimensão enciclopédica (Maingueneau, 2002).

Tomando como pressupostos o conceito de narrativa histórica apontado por Rüsen (2001) e Ricouer (1994), o enfoque narrativo de Bruner (1987) e fundamentos da Linguística Cognitiva, a comunicação tem como objetivo principal apresentar alguns indícios de processos cognitivos envolvidos com a aprendizagem da língua escrita no contexto da aprendizagem da História e de desenvolvimento do pensamento histórico no interior de uma disciplina escolar e, portanto, da cultura escolar (Chervel, 1991). A análise recai sobre produções escritas de crianças e adolescentes do Ensino Fundamental II elaboradas durante aulas de História organizadas no formato de sequência didática (Zabala, 1994). Na preparação dos materiais, bem como no desenvolvimento da sequência didática mencionada, considerou-se alguns dos princípios da pesquisa em Educação (Gómez, 1998) e da etnografia escolar (André, 1995), como a observação participante, registros de observação de aula e entrevistas com a finalidade de compreender alguns elementos da produção e da troca de significados, bem como de sentidos constituídos pelos sujeitos na linguagem escrita, considerando-a simultaneamente como mediadora e como manifestação do pensamento linguístico e histórico, dialeticamente configurado.