logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Índíces de práticas letradas digitais em contexto de EJA (Educação de Jovens e Adultos)
Autor(es): Daiane de Cssia Martins Fazan . In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave letramento digital, escrita, EJA
Resumo

Com base em pressupostos da Análise do Discurso de linha francesa e dos Novos Estudos de Letramento (New Literacy Studies), este trabalho em nível de Iniciação Científica tem como objetivo investigar aspectos (“índices”) de práticas letradas digitais em produções textuais realizadas por adultos, participantes de um Projeto de Extensão Universitária direcionado à Educação de Jovens e Adultos (EJA), numa cidade do interior do Estado de São Paulo. Por letramento digital, assume-se, com Lankshear e Knobel (2007), conceito que não se restringe à capacidade cognitiva no trato/uso de ferramentas tecnológicas digitais (a exemplo da manipulação de computador e de outros dispositivos móveis), mas é “atravessado” por contexto sócio-histórico mais amplo reconhecido por ação participativa dos sujeitos em práticas sociais de leitura e escrita mediadas por esses dispositivos do mundo contemporâneo. Os autores distinguem, desse modo, “manejo de teclas”, segundo proficiência técnica com ferramentas digitais – a qual poderia ser tomada, equivocadamente, como fator “em si” transformador das práticas sociais – de “domínio de ideias” – “forma substantiva” de ser letrado digitalmente, considerando-se engajamento na produção (disseminação) de sentidos em ambientes digitais (mas não somente). Interessa a este trabalho descrever aspectos (“índices”) de práticas letradas digitais na produção textual desses adultos, considerando-se o interesse dos (imposição aos) sujeitos, cada vez mais crescente, de pertencimento a essas práticas em emergência. O conjunto do material é formado de 63 (sessenta e três) produções realizadas por adultos na faixa etária de 50 a 60 anos, todos alfabetizados, no ano de 2013. O projeto de extensão universitária no qual desenvolveram atividades tinha como uma de suas diretrizes práticas de leitura e escrita a serem executadas em computador com acesso à internet. Interessa-nos investigar o que foi oferecido aos participantes como instrução de atividade e o que eles efetivamente conseguiram produzir, levando-se em conta mobilização de recursos multissemióticos – como arquivos de áudio, de imagem estática e em movimento, dentre outros – não restritos, portanto, aos de base semiótica gráfica, dita “tradicional” no processo de produção textual.