logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A ditoganção em contexto vogal + S no continuum linguístico RJ-BH
Autor(es): Daniela Samira da Cruz Barros. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Ditongao, Vogal + S, Fronteira Lingustica
Resumo

Ao investigar o S em coda na fronteira entre os estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais (BARROS, 2013), constatamos a existência de um continuum linguístico que segue do litoral em direção ao interior, a variante pós-alveolar vai dando espaço à variante alveolar conforme nos aproximamos de Minas Gerais. No entanto, a partir da investigação desse objeto de pesquisa, observamos que um outro fenômeno se destaca no continuum: a ditongação diante de sibilante (contexto vogal + S). Sendo assim, faz-se necessário investigar a ocorrência deste fenômeno cuja presença ou ausência também marca fortemente os falares da região de fronteira entre Rio e Minas. Sendo assim, este trabalho visa esboçar como se dá a ocorrência da ditongação diante de S em coda nas nove cidades (Rio de Janeiro – Nova Iguaçu – Petrópolis – Areal – Três Rios – Simão Pereira – Juiz de Fora – Barbacena – Belo Horizonte) investigadas por Barros em seu trabalho de Pós-Doutoramento, concluído em 2014, sem resultados publicados até o momento. Em cada localidade, selecionamos aleatoriamente, seis homens e seis mulheres, distribuídos por três faixas etárias (OLIVEIRA e SILVRA, SCHERRE, 1996) e aplicamos questionários segundo orientações labovianas, em contextos A, B e C. Com esta investigação, buscamos melhor caracterizar, através da ditongação no contexto vogal + S, o continuum linguístico que traçamos entre RJ e BH (BARROS, 2013). Este trabalho é parte de uma pesquisa, de natureza sociolinguística variacionista (LABOV, 1972, 2001), para complementarmos nossa investigação recorremos a vários trabalhos de Brandão e Callou sobre o S em coda e  a estudos sobre a ditongação no Brasil, como os de Callou, Leite e Moraes (1998), Mota e Silva (2013), Silva (2014), Haupt (2007, 2010), Leiria (2000) entre outros. Os resultados apontam para um continuum de ditongação em contexto VOGAL + S que vai se perdendo, gradativamente, no percurso do litoral para interior, assim como a pós-alveolar dá lugar à alveolar. No entanto, percebemos indicativos de mudança em curso em algumas localidades.