logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: EXAUSTIVIDADE, CONTRASTE E PRESSUPOSIÇÃO EM CONTEXTOS DE DESLOCAMENTO DO PORTUGUES BRASILEIRO
Autor(es): FERNANDA ROSA DA SILVA. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave Deslocamento, Tpico e foco, estrutura da informao
Resumo

Esta pesquisa investiga as inferências semânticas e pragmáticas de sentenças do português brasileiro(PB) cujos sintagmas com função de tópico ou foco sejam deslocados para a periferia esquerda. Mais especificamente, este trabalho procura identificar quais destas noções semântico / pragmáticas são obrigatórias em contexto de deslocamento: contrastividade, exaustividade e pressuposição. Observe o contexto abaixo:

(1) A: Fale-me sobre o João.

B’: O João tá namorando uma menina1 do interior. Ele conheceu essa menina na universidade.

B’’: O João tá namorando uma menina1 do interior. Essa menina, ele conheceu na universidade.

B’’’: O João tá namorando uma menina1 do interior. Essa menina, ele conheceu ela na universidade.

As três respostas são adequadas. Entretanto, se é possível a resposta em B’, nossa questão é investigar porque o falante opta por B’’ ou B’’’, em que o sintagma “essa menina” é deslocado, tornando as sentenças sintaticamente mais complexas. Deslocamento foi investigado no PB sob diversas perspectivas desde as formais, como a gramática gerativa (Kato,1989;1998), ou funcionalistas (Pontes, 1987, Ilari, 1993), até sociolinguísticas (Orsini, 2007;2011). Entretanto, não há trabalhos que investigue tal fenômeno nas perspectivas semânticas ou pragmáticas e na interação destas duas áreas.

Este trabalho busca responder às seguintes perguntas: Quais restrições semânticas e pragmáticas que existem em sentenças em que o tópico ou foco da sentença seja deslocado? O que leva o falante a optar por uma sentença com o sintagma deslocado? Noções de exaustividade, contrastividade, e pressuposição são obrigatórias em contexto de deslocamento?

Nossa hipótese é que, ao deslocar o sintagma para a periferia esquerda, são geradas implicaturas (Grice, 1979). Ainda, as noções são acima citadas, apesar de serem presentes em alguns contextos, não são obrigatórias em todas as ocorrências de deslocamento em PB. O que vai licenciar um NP a ser deslocado em PB são outras questões como: as relações lógicas que o elemento deslocado estabelece com o discurso (Prince, 1998; Ward & Prince, 1991) ou a organização da estrutura do discurso (Roberts, 1996; Büring,1999, 2003). O trabalho busca propor uma representação formal que generalize tal fenômeno, contemplando suas restrições semânticas e pragmáticas.