logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A ordenação dos advérbios qualitativos e modalizadores em -mente no século XX
Autor(es): Vitor Fernandes Gonalves, Ester Moraes Gonalves. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave Advrbios em -mente, Ordenao, Polissemia
Resumo

Este trabalho faz parte de uma pesquisa mais ampla sobre semântica e ordenação de adverbiais. Aqui, analisamos advérbios qualitativos e modalizadores em –mente em cartas manuscritas e impressas da 1ª fase do século XX do corpus do projeto PHPB. Os resultados compõem o panorama de pesquisas sobre advérbios em diferentes sincronias (MARTELOTTA & VLČEK (2006); MARTELOTTA & PROCESSY (2008); VLČEK & MARTELOTTA (2009); MORAES PINTO (2008; 2012)). Interessam-nos, também, casos ambíguos que possam aclarar tais processos.

Os pressupostos teóricos são fundamentados na definição de advérbios, vista em Martelotta (2000), segundo a qual não há divisões nítidas entre esses itens, mas sim a existência de um continuum. Logo, alguns advérbios possuem comportamento prototípico, mas outros não, e podem tender à ambiguidade e ainda à mudança. Também trabalhamos com a definição de Ilari et alii (1990) para advérbio qualitativo, segundo a qual esse elemento tem o papel de modificar o sentido daquele ao qual se liga (o verbo). Já os modalizadores foram tratados segundo a classificação de Moraes Pinto (2003), partindo de Ilari et alii (1990) e Castilho (1992). São advérbios que se desconectam sintático-semanticamente do verbo e desempenham funções pragmático-discursivas.

Com base em Pagotto (1998), até o século XVIII a posição pré-verbal estava disponível a todos os tipos de advérbios. Porém, a partir do século XIX, a posição pós-verbal tornou-se essencialmente a preferida por esses elementos. Com a nova ordenação, houve, em certos casos, mudança semântica. Assim, acreditamos que alguns advérbios em –mente passaram por uma trajetória de mudança, ampliando sua função e, simultaneamente, movendo-se de posições internas na oração para posições mais periféricas devido ao processo de gramaticalização: advérbio interno à cláusula > advérbio sentencial.

Levamos em conta que o subprincípio de proximidade, proveniente do princípio de iconicidade (GIVÓN, 1990), tem influência na ordenação dos advérbios na oração, isto é, o advérbio qualitativo tende a se posicionar próximo ao verbo, com o qual possui ligação direta, enquanto o modalizador, que possui ligação com a oração como um todo, tende a se dispor nas posições periféricas.

Deste modo, com enfoque funcionalista, esta pesquisa tem como objetivo norteador analisar a ordenação dos advérbios qualitativos e modalizadores em -mente, verificando se a preferência destes, respectivamente, pelas posições pós-verbal/pré-oracional também se dá na 1ª fase do século XX. Por fim, pretende-se também observar dados ambíguos que possam, em um espectro maior da pesquisa sobre o tema, evidenciar o processo de mudança sintático-semântica. (Apoio: Pibic/CNPq)