logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Médias pretônicas posteriores em nomes em Nova Iguaçu/RJ
Autor(es): Fernanda Delgado de Almeida. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave Alteamento, Variao, Especializao Semntica
Resumo

O foco do presente trabalho é a análise do comportamento da pretônica posterior /o/ sem travamento e diante dos contextos /N/, /S/ e /R/. Trata-se de contextos que, comprovadamente em outras pesquisas e nesta, apresentam comportamentos diferentes no processo do alteamento vocálico. Na observação do total de ocorrências dos nomes, os referidos contextos parecem indicar inibição do fenômeno, mas, no entanto, no caso do contexto diante de /S/, parece atuar mais evidentemente o processo difusionista e no caso de /R/, parece indiciar casos de especialização semântica - os sentidos se diferenciam a depender de a forma concretizar-se pela variante média ou alta. O corpus é constituído de dados coletados do Projeto Concordância (www.letras.ufrj.br/concordancia), este estratificado sociolinguisticamente em gênero biológico (homem e mulher), faixa etária (25 a 35 anos; 36 a 55 anos; 56 anos em diante) e grau de escolaridade (níveis fundamental, médio e superior completo). Foram analisadas, na média posterior, 412 ocorrências, 165 no contexto sem travamento, 111 no contexto diante de /N/, 120 diante de /R/ e 16 diante de /S/. Desses contextos, apenas 29,6% na média sem travamento, 9,9% na média diante de nasal, 4,1% diante de rótico e 18,6% diante de sibilante apresentaram as variantes alteadas.  Nesta apresentação, discutem-se ainda os fatores que desencadeiam o alteamento vocálico nos nomes, de uma maneira geral, considerando-se as propostas da Difusão Lexical – “cada palavra tem a sua história” e “a mudança é lexicalmente lenta e foneticamente abrupta” (OLIVEIRA, 1991) – e da visão Neogramática – “os sons controlam as mudanças linguísticas” e “a mudança é foneticamente lenta e lexicalmente abrupta” – (OSTHOFF; BRUGMANN, [1878] 1967; LABOV, 1994). O trabalho resulta de um recorte na análise do alteamento das vogais médias pretônicas em nomes em dados do Rio de Janeiro (DELGADO, 2013) e visa a contribuir para a caracterização do vocalismo átono do português do Brasil.