logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A ESTRUTURA DA SENTENÇA E A CONCORDÂNCIA NOS DIALETOS MODERNOS DA LÍNGUA ÁRABE
Autor(es): Marcela Muniz Barbosa. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave Sintaxe Gerativa, Estrutura Sentencial, Lngua rabe
Resumo

A língua Árabe Padrão exibe duas estruturas sentenciais diferentes: SVO e VSO, sendo esta última a ordem canônica. A princípio, a maior diferença entre as duas estaria no resultado da concordância entre sujeito e verbo, onde é possível notar a concordância total entre estes elementos na ordem SVO, e uma concordância parcial na ordem VSO. A concordância entre esses elementos ocorre a partir de traços de pessoa, número e gênero, sendo a concordância parcial realizada apenas com os traços de gênero e pessoa. É importante pontuar que a literatura tem associado tal fenômeno da concordância assimétrica com a ordem dos constituintes dentro da sentença. Entretanto, nos dialetos modernos, a concordância se realiza de forma plena em ambas as ordens. Portanto, o presente trabalho procura investigar não apenas os contextos onde essas estruturas acontecem, se também há algum contexto mais específico onde a concordância assimétrica pode ser condicionada, mas, principalmente, entender quais as implicações derivadas do conteúdo informacional relacionadas a tais estruturas. A partir disso, esta pesquisa decidiu trabalhar com a análise de um corpus linguístico, coletado a partir de entrevistas com falantes de Árabe que residem no Brasil, mais especificamente com a comunidade árabe da região do Brás e Pari, dois bairros do município de São Paulo. Nesses bairros, é possível encontrar falantes da língua recém-chegados no país. Como aparato teórico foram adotados trabalhos dentro da Teoria Gerativa, como Benmamoun (1992a) (1992b) (1999) (2000), Aoun, Benmamoun e Choueiri (2010), Pollock (1989), Chomsky (1989), Rizzi (1990), além do trabalho voltado para a estrutura informacional da frase de Lambrecht (1994). Os próprios trabalhos dentro da teoria formal encontram dificuldades de explicar a ocorrência dessas ordens quando é preciso olhar para os dialetos modernos. Assim, este trabalho pretende reavaliar as análises que já foram feitas até o momento, já que o motivo da concordância não é suficiente para explicitar a alteração verificada na estrutura sentencial, bem como entender quais são as diferenças de interpretação geradas na língua e qual a relevância semântica que o falante atribui para os constituintes.  (Apoio: CAPES)