logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A DIVERSIDADE NA LEITURA (POSSÍVEL) DE PARADIDÁTICOS: “PELOS OLHOS DE NICOLAS”
Autor(es): Eduardo Alves Rodrigues, Renata Chrystina Bianchi de Barros. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 24/02/2024
Palavra-chave ensino de leitura, diversidade, livros paradidticos
Resumo

Temos nos interessado ultimamente pelo modo como a temática da diversidade – em especial, pelo modo como ela pode ser relacionada à temática da inclusão/exclusão – é significada (trabalhada) no espaço simbólico escolar. Nesta comunicação, propomo-nos analisá-la por meio da leitura de objetos simbólicos que são constituídos e destinados a este espaço. Neste momento específico de nossa pesquisa, voltamos nossa análise a livros publicados e distribuídos em escolas públicas do município de Campinas (SP), com o objetivo de promover práticas de leitura supostamente realizadas, mediadas (ou não), por práticas pedagógicas específicas. Nosso objetivo foi compreender como a diversidade – a deficiência, assim como as práticas ditas de inclusão, por exemplo – é formulada e significada em uma coleção de livros intitulada “Pelos olhos de...” (Editora Espelho D’Água). Para esta comunicação, apresentaremos uma análise de como a questão da diversidade é significada em um volume paradidático intitulado “Pelos olhos de Nicolas” (Editora Ideias e Letras, 2011), que circula em função de práticas pedagógicas desenvolvidas no espaço escolar voltadas ao estímulo de práticas de leitura em língua materna e/ou de ensino de língua portuguesa. Nossa análise foi construída a partir do quadro teórico-metodológico da Análise de Discurso Pecheutiana e, para isso, recorremos a autores como M. Pêcheux e E. Orlandi, entre outros que aí se filiam. Metodologicamente, procuramos inflexões na materialidade multiforme constitutiva do referido livro, isto é, pontos que indiciam configuração de efeitos de sentido – (ir)regularidades significativas – sobre o modo como ali se relacionam o linguístico e o não linguístico como base de processos de produção de sentidos para/de diversidade. A análise apontou para o fato de que a questão da diversidade é significada lateralmente, sobretudo, pelo modo como é opacificada por temáticas outras significadas como pertencentes à pauta “urgente” da contemporaneidade, como a questão da degradação/preservação do meio ambiente.  Outro apontamento decorrente da análise mostra que no referido volume a diversidade, isto é, a(s) diferença(s) que supostamente ela poderia abranger é (são) dissimulada(s) por meio da produção do efeito de evidência da homogeneidade e/ou “normalidade” sustentada pelo pré-construído da “curiosidade infantil inata”.