logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Mudanças tecnológicas x mudanças linguísticas: o caso do Português Europeu
Autor(es): Elaine Chaves. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 26/02/2024
Palavra-chave mudanas lingusticas, mudanas tecnolgicas, Portugus Europeu
Resumo

Chaves (2013) comprovou que a razão para a emergência da gramática do Português Brasileiro na escrita é a inserção, no final do século XIX, de novos agentes devido a ampliação da imprensa periódica neste período. Partiu de três frentes de pesquisa: (i) a comparação entre a periodização linguística do PB e o contexto histórico-social no qual se inclui a imprensa periódica, (ii) a observação do surgimento e desenvolvimento da imprensa periódica, e (iii) a observação de um fenômeno característico da gramática do PB que funcionasse como teste para a comprovação da relação entre mudanças tecnológicas e mudanças linguísticas.  Nosso objetivo é responder a seguinte questão: É possível observar este mesmo contexto para a emergência da gramática do Português Europeu Moderno? Propomos verificar se há, também no PE, correlação entre usos linguísticos e mudanças tecnológicas, como observado para o PB por Chaves (2013). Para tanto, identificar o momento em que as gramáticas do PB e do PE se diferenciam torna-se fundamental. Identificar tal momento deve ser compreendido aqui como apresentar uma possibilidade de interpretação para a divergência entre os autores que afirmam que a gramática do PB emerge no século XIX (Tarallo, 1993; Pagotto 1992, 1993; ente outros) e autores que afirmam que a gramática do PB emergiu no século XVIII (Galves, 2010; Coelho e Franco, 2011). Como se trata de um trabalho complementar ao de Chaves (2013), adotaremos o mesmo fenômeno linguístico, o uso das preposições [a] e [para] em complementos verbais cliticizáveis, os mesmos corpora, cartas pessoais e textos jornalísticos, e recorte temporal mais amplo, segunda metade do século XVII à primeira metade do século XX. A nossa perspectiva é que este recorte permite responder à questão que fundamenta este trabalho. A composição dos corpora, o recolhimento e a análise dos dados foram feitos com base nos pressupostos teórico-metodológicos da Sociolinguística Quantitativa. Como resultado, esperamos contribuir para a discussão sobre o momento da emergência da gramática do PB e comprovar a importância da inserção de novos agentes na escrita por meio da imprensa periódica para a difusão de novas gramáticas.