logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Um não-pastor fingidor: Alberto Caeiro pela semiótica discursiva
Autor(es): Larissa de Souza Arajo. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave semitica discursiva, poesia, thos
Resumo

Este trabalho, ainda em fase inicial, busca analisar por meio da teoria semiótica discursiva, desenvolvida por Greimas, a construção de um éthos discursivo na obra "O guardador de rebanhos", de Alberto Caeiro, heterônimo "mestre" do poeta português Fernando Pessoa. Tomamos o conceito de éthos discursivo sem desconsiderar a perspectiva dos estudos relacionados à sua origem, em que, ao lado do logos e do pathos, diz respeito às virtudes morais que dariam credibilidade ao orador; contudo, destacamos sua incorporação ao campo dos estudos discursivos, a partir dos deslocamentos propostos, inicialmente, por Dominique Maingueneau e, a seguir, pelas discussões que têm sido feitas por estudiosos no âmbito da semiótica discursiva sobre esse conceito. A obra de Caeiro retrata a vida campestre de um sujeito auto intitulado pastor de rebanhos; tais rebanhos são caracterizados como fictícios, pois não passam de pensamentos constituídos por meio da apreensão das sensações do narrador pelos cinco sentidos do corpo. O "pastor fingido" apresenta um querer ser e um fazer crer simples, vive em busca da simplicidade, com a qual entra em conjunção por meio do sentir e das sensações. Assim, relata acontecimentos naturais ordinários, como o nascer e pôr do sol, o movimento das nuvens ou o advento da chuva, e afirma rejeitar artifícios da cultura, bem como os pensamentos que, quando surgem, revelam-se motivo de tristeza. Visto a constante procura por um fazer persuasivo do enunciador com relação ao enunciatário, analisaremos o contrato de veridicção associado ao fiduciário que leva os enunciatários à atribuição de um corpo ao enunciador da obra. Nesse sentido, buscamos focalizar a análise no nível discursivo da obra, tido como o mais próximo da superfície textual; para isso, serão utilizados como corpus dois poemas da obra em questão, os intitulados I e IX, sendo descritos os procedimentos enunciativos de debreagem, percursos figurativos e temáticos, bem como isotopias figurativas. Procuramos estabelecer as relações entretecidas no plano de conteúdo, por meio do percurso gerativo de sentido, observando de que forma contribuem para se estabelecer um éthos discursivo de simplicidade e um efeito de sentido de verdade na obra. (Apoio: CAPES).