logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: PROCESSOS E ESTRATÉGIAS DE LEITURA DE HIPERTEXTO NO ENSINO SUPERIOR TECNOLÓGICO
Autor(es): Luciene Maria Garbuio. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave novas tecnologias, hipertextos, estratgias de leitura
Resumo

Com o avanço da tecnologia, o processo de leitura tem sido essencialmente digital e multisequencial e não mais linear como no passado, o qual favorece autonomia ao aluno para desenhar o seu percurso de leitura na tela. Muitas vezes a leitura é realizada por meio do hipertexto (LËVY, 1993: 33) e as telas apresentam múltiplas possiblidades, sem ordem predefinida. O objetivo deste trabalho é apresentar alguns modelos de hipertexto (BIANCHINI, 1991) e processos de leitura partindo daquilo que sabemos sobre leitura e escrita de textos impressos (MIALL, 1998: 01), bem como apresentar algumas estratégias de leitura de hipertextos (MCALESSE, 1993; FOLTZ, 1996; GOMES, 2010) realizadas por alunos de Curso Superior de Tecnologia. Gomes (2010: 24) enfatiza a importância do processamento cognitivo e o questionamento sobre a maneira como os leitores articulam as informações presentes em textos separados. A estrutura do hipertexto e a interconexão dos diferentes textos afetarão os percursos da leitura e a construção dos sentidos.  Gomes (2010: 103-104) pondera que as estratégias de leitura de hipertexto dependem de fatores essenciais como conhecimento do leitor sobre determinado assunto, seus objetivos, suas habilidades e as características do texto. Em todos os casos o leitor tem liberdade para escolher os caminhos da leitura, caminho esse que não há mais controle como acontece no texto impresso, onde a leitura é feita de forma linear. O processo de leitura está focado no leitor que desempenha trabalho físico e mental e favorece, portanto, o fenômeno ergódico, aquele que permite ao leitor fazer travessias no texto (AARSETH, 1997). Entende-se que as estratégias de leitura utilizadas pelos estudantes podem estar relacionadas com objetivos estabelecidos, pesquisa em sites de busca, pesquisa em links com palavras semelhantes ao tema e utilização de diferente recursos como imagem, som, ícones. Portanto, com a proliferação da cultura midiática, pondera-se a urgência de levar para a educação o manejo de hipertextos eletrônicos, mas, sobretudo, a nova condição de interpretar, aprender e pensar sinalizada pelo hipertexto. Instaura-se aí um desafio para educadores e escola, no sentido de repensarem suas práticas e assumirem um papel proativo que traga contribuições para a transformação da informação em conhecimento, diante das mudanças que a cultura midiática tem imposto.