logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: Língua, ideologia e autoria: por uma política de constituição do dicionário
Autor(es): DAIANE SIVERIS. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 05/03/2024
Palavra-chave discurso, lngua, autoria
Resumo

O presente trabalho inscreve-se na perspectiva teórica da Análise de Discurso de vertente pecheuxtiana em articulação com o materialismo histórico, uma das bases de constituição da teoria do discurso. Visamos, nesta apresentação, discutir as relações entre língua, ideologia e autoria na política de constituição do dicionário Caldas Aulete Digital, instrumento linguístico este que é elaborado a partir de um dicionário impresso - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa, de Francisco Júlio Caldas Aulete, publicado em Portugal no final do século XIX e atualizado no Brasil a partir de meados do século XX. Este recorte é fruto do desenvolvimento do trabalho de Tese que vimos realizando. Enfatizaremos a noção de língua, que, para Michel Pêcheux, é o que dá suporte aos processos discursivos, entendida como o lugar da materialização do discurso, o lugar da realização dos efeitos de sentido a partir dos processos discursivos, uma vez que se observam os movimentos de sentido dos verbetes a partir do movimento também da infraestrutura, e a noção de autoria, iniciando pela noção de sujeito, interpelado ideologicamente e afetado pelo inconsciente, enquanto lugar da tomada de posição de autor, que funciona no dicionário digital, pelo menos, de dois modos, pois há um sujeito lexicógrafo, detentor do saber da/sobre a língua, responsável pelo que é produzido e veiculado no dicionário, e há um sujeito falante da língua, que toma um lugar de autoria ao contribuir com a elaboração do dicionário por meio de verbetes e definições enviadas à equipe de lexicógrafos. Essas duas noções são trabalhadas pensando-se a articulação com a ideologia que determina o funcionamento de ambas na produção/constituição/publicação/circulação do dicionário digital. Na tentativa de explicitar a política de constituição do dicionário em questão, estabeleceremos recortes discursivos do projeto da editora que idealiza a edição digital, os quais nos permitirão realizar incursões analíticas a fim de explicitar como o funcionamento das noções de língua e sujeito se dá na constituição do instrumento linguístico dicionário digital. Além disso, recorreremos a acepções de verbetes para explicitar o funcionamento da língua em movimento no dicionário digital, uma vez que as contribuições, sejam verbetes sejam acepções, advém da produção de sentidos dos lexicógrafos e dos sujeitos falantes da língua portuguesa em constante (re)significar.