logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: O que diz uma negação? Leitura, discurso, silêncio.
Autor(es): Carolina P. Fedatto. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 23/02/2024
Palavra-chave Negao, Leitura, Sentido e no-sentido
Resumo

Considerando o caráter negativo, diferencial e relacional do significante (Saussure) e a afirmação de que o sentido é relação a – não relação entre – (Canguilhem), esta comunicação pretende investigar as imbricações e distanciamentos teóricos, tal como pensados pela Psicanálise e pela Análise de Discurso, entre significante e sentido no fenômeno da negação. Entendemos, para tanto, a negação como um fato de discurso que se materializa linguisticamente por formas variadas, isto é, que, embora se produza nas e pelas formas da língua, não se restringe a nenhuma delas em específico. Por isso também, a negação leva a considerar a perspectiva do negativo enquanto pura diferença ou disponibilidade de significação, isto é, do não-sentido, diferente do vazio que ronda o sem-sentido, tal como distingue Eni Orlandi. Analisaremos o discurso da negação – ou a negação em discurso – por meio de materialidades diversas: imagem, palavra, silêncio. Colocaremos em questão uma posição subjetiva muito frequente que é a de “negar-se a ler”, “não gostar de ler”, “não saber ler” ou simplesmente “não ler” e suas relações com alguns sentidos dominantes (e positivos) para a leitura e para o leitor: “quem lê viaja”, “quem lê bem fala bem, escreve bem, pensa bem”, “ler é fundamental” etc. Como, ou melhor, por quais construções simbólicas e discursivas a negação da leitura é possível em uma sociedade que tanto a cultua? O que é que se nega ao negar-se a ler? Que sujeito é esse que se afirma recusando-se, opondo-se, resistindo  a ler? Quais são os sentidos dessa negação?  Jogamos, assim, com a ambiguidade do pronome interrogativo “o que” em nosso título, que pode tanto remeter aos sentidos historicamente produzidos para uma determinada negação quanto encaminhar um questionamento sobre as formas significantes que a negação, lato sensu, pode tomar em relação à possibilidade de significar e também ao não-sentido.