logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: MODOS DE VER, MODOS DE DIZER SOBRE A CIDADE: RUA RABO DA GATA, UM ESTUDO SEMÂNTICO-ENUNCIATIVO DE NOMEAÇÃO
Autor(es): Elaine Regina Franco Magro. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 29/02/2024
Palavra-chave Nomeao de Rua, Sentido, Simblico
Resumo

Há diferentes modos de ver e dizer do espaço das cidades. O percurso de pesquisa, a busca pelos saberes sobre a cidade, o lugar de escuta, nos leva a esta afirmação e nos instiga a dizer sobre este lugar de significações, espaço este que provoca estranheza, recebe avaliações, interpretações, possibilita sentidos outros, especializa saberes e inscrevem uma história que o imaginário se ocupa de ocultar ou sedimentar. Nesta pesquisa, propomos desenvolver um estudo semântico-enunciativo da nomeação oficial da Rua 23 de Maio e do nome popular Rua Rabo da Gata como é nomeada nos enunciados veiculados na sociedade diariamente ou registrado na história/ memória da cidade. Elegemos como materialidade de análise os nomes oficial e popular atribuídos ao espaço público urbano em questão, bem como documentos oficias e não oficiais que dizem sobre a Rua 23 de Maio, localizada no perímetro urbano da cidade de Araputanga-MT. A análise se dará na perspectiva da Semântica do Acontecimento (2002, 2005), de Eduardo Guimarães, pela possibilidade teórica que direciona ao considerar a linguagem como um fenômeno histórico, a qual considera que a análise do sentido da linguagem deve localizar-se no estudo do acontecimento do dizer. Esta disciplina teórica nos permite compreender a constituição dos sentidos, por considerarmos o funcionamento da língua no acontecimento de linguagem, logo entendemos que os sentidos se constituem no acontecimento da enunciação pela relação com a história, o sujeito e a língua. Entendemos que este estudo nos possibilitará perceber quais sentidos a nomeação Rua Rabo da Gata ecoa e faz circular na cidade como resistência à nomeação oficial. A demonstração de análise vale-se de diferentes estratégias, há de se perceber a construção do nome a partir de suas estruturas morfossintáticas, de seu funcionamento semântico-enunciativo e da configuração da temporalidade do acontecimento. Nesse sentido, procura-se dar visibilidade ao modo como a nomeação produz sentidos, pois só se enuncia enquanto ser afetado pelo simbólico. Nosso lugar de compreender a cidade é pela linguagem. Tomar a cidade como espaço de interpretação, requer pensar em sentidos para e na cidade, colocando em questão seus processos de urbanização, para tanto há de se considerar seus percursos e condições de surgimento como cidade. A cidade, através de suas nomeações, se faz arcabouço rico em valor documental, descritivo e referencial para o desenvolvimento de estudos com motivação voltada para a semântica das nomeações dadas aos seus espaços.