logo

Programação do 63º seminário do GEL


63º SEMINáRIO DO GEL - 2015
Título: A prática docente no jogo equívoco das posições de sujeito
Autor(es): Suzy Maria Lagazzi. In: SEMINÁRIO DO GEL, 63 , 2015, Programação... São Paulo (SP): GEL, 2015. Acesso em: 03/03/2024
Palavra-chave discurso , autoria, ensino
Resumo

Nesta apresentação abordo a autoria na prática docente a partir de uma discussão conceitual importante no interior do quadro teórico-metodológico da análise materialista do discurso: o conceito de posição de sujeito. Inicio minhas considerações pela pergunta: “Que posições de sujeito compõem o cenário da prática docente?” Uma pergunta que impõe uma reflexão relevante para que possamos compreender uma diferença capital entre posição institucional e posição de sujeito. Entrecruzando esses conceitos com o de equívoco, tal como formulado por Michel Pêcheux (1990), chego à posição de sujeito da hierarquia da autoridade de saber e à posição de sujeito do conhecimento. Mostro que a produção do conhecimento como autoria possível requer a reorganização simbólica das fronteiras que estruturam a prática docente e que para isso a ‘autoridade de saber’ precisa ser apropriada pelo sujeito, que deve responsabilizar-se pelo seu dizer. Retomo a discussão sobre autoria feita por Orlandi (1988), Gallo (1992), Pfeiffer (1995), Fedatto e Machado (2007), reiterando a importância do olhar discursivo para a prática docente para que possamos compreender a inscrição dos sentidos na história do sujeito em seus limites e possibilidades, na tensão entre autoridade e autoritarismo. Retomando a pergunta “Quem ensina o que para quem?”, afirmo que na identificação com a hierarquia institucionalizada da autoridade imaginária de saber, os sujeitos em cena na prática docente ficam colados aos lugares institucionais do professor e do aluno, em oposição um ao outro, na evidência da transmissão hierarquizada de conteúdos estabilizados. Assim, defendo a importância de buscarmos condições para que o desejo de saber e a identificação com o conhecimento estejam em contradição com a hierarquia da autoridade de saber. Desestabilizar a sobredeterminação da hierarquia, fazendo funcionar o equívoco na autoridade. Reitero, nesta retomada da discussão sobre a autoria, que o foco no equívoco me permitiu tocar num ponto sensível do dispositivo analítico discursivo: a delimitação das posições de sujeito em cena.